Follmann, goleiro do #Chapecoense e um dos poucos sobreviventes do #Acidente na passada terça-feira, dia 29 de novembro, falou pela primeira vez após tomar consciência que uma das suas pernas foi amputada, como forma de conseguir salvar a sua vida. “Prefiro a vida do que morte. Vamos tirar isso de letra”, disse o goleiro com uma atitude muito otimista, depois do verdadeiro inferno que tem passado nos últimos dias. Tal como informa o site “O Dia”, a amputação da perna já foi realizada e o estado de saúde é crítico, porém estável.

Dos setenta e sete passageiros no avião que iria aterrar em Medellin, na Colômbia, apenas seis pessoas sobreviveram, sendo que a maioria ainda continua internada e lutando pela sua vida.

Publicidade
Publicidade

Atualmente, o estado do zagueiro Neto parece ser o mais crítico pois o jovem ainda está sendo assistido por ventilação devido a um problema grave nos pulmões.

Um dos grandes casos de superação dessa enorme tragédia, que abalou o país e o mundo, é certamente o do goleiro Follmann, que demonstrou uma enorme vontade de continuar vivendo, e mesmo com uma perna amputada usou uma expressão revelada pelos médicos que está arrepiando e emocionando muitos brasileiros nas redes sociais: “Vamos tirar isso de letra”, como garante o site “O Dia”.

O exemplo de coragem e sacrifício está inspirando muitos milhares de brasileiros que, apesar de estarem chorando a morte de setenta e um inocentes, rezam diariamente para que Follmann, bem como os outros cinco sobreviventes, possa conseguir resistir aos ferimentos e continuar vivendo com alguma qualidade de vida.

Publicidade

Ontem, dia 3 de dezembro, um velório com as mais de cinquenta vítimas mortais diretamente ligadas à Chapecoense juntou uma multidão de pessoas, incluindo a presença do presidente da República Michel Temer, bem como outros grandes nomes internacionais do mundo do futebol, como foi o caso do atual presidente da FIFA, Gianni Infantino, que fez questão de discursar para todos os presentes em português, emocionando os presentes e os milhões que assistiram.