Foi deflagrada na manhã dessa sexta-feira (16), mais uma operação de busca e apreensão da #Polícia Federal. A operação, denominada como operação Timóteo, investiga a formação de uma organização criminosa que cometia crimes de #Corrupção ligados a cobranças de royalties de exploração mineral. Entre os acusados de envolvimento está o pastor #Silas Malafaia, comandante da igreja Assembleia de Deus Vitória em Cristo.

Segundo a Polícia Federal, o pastor Silas Malafaia estaria participando de um esquema de lavagem de dinheiro. Investigações apontam que ele teria se beneficiado com recursos. Recursos esses que ele teria recebido em seu próprio escritório de advocacia.

Publicidade
Publicidade

Além disso, investigadores também apontaram que o pastor teria emprestado contas bancárias de instituições de sua rede de igrejas para auxiliar na ocultação de recursos financeiros.

Condução Coercitiva

De acordo com reportagem publicada no jornal “Folha de São Paulo”, Silas Malafaia será alvo dos agentes da polícia federal nessa sexta-feira (16). Os agentes da PF cumprirão um mandado de condução coercitiva, onde o investigado é abordado de surpresa pelos policiais, e é obrigado a depor sem um aviso prévio. Ainda segundo o jornal, o pastor reside atualmente no Rio de Janeiro e, por enquanto, ainda não houve a informação do cumprimento do mandado.

Outro acusado de envolvimento no esquema criminoso é o filho de Simão Jatene, governador do estado do Pará, Alberto Lima Silva Jatene, que deverá cumprir prisão temporária.

Publicidade

Operação Timóteo

Nessa sexta-feira, o comando da Polícia Federal disponibilizou 300 agentes para cumprir mais uma “megaoperação” de busca e apreensão na investigação de cometimento de crimes em cobranças de royalties.

Além de colher documentos, ouvir depoimentos e prender acusados de envolvimento, a Polícia Federal investigou e a justiça determinou o bloqueio de aproximadamente 70 milhões de reais descontados em contas bancárias de pessoas acusadas de envolvimento no esquema de corrupção.

Ações dos 300 agentes da Polícia Federal estão ocorrendo simultaneamente em diversas cidades situadas nos estados de Santa Catarina, Sergipe, Goiás, Mato Grosso, Tocantins, Paraná, Pará, Rio de Janeiro, Rio Grande do Sul, Bahia, Minas Gerais e Distrito Federal.