Neste domingo, 18, mais uma revelação envolvendo a tragédia da Chapecoense ganhou a imprensa. O piloto do avião e sócio da LaMia, companhia que levava o time brasileiro para a Colômbia, é acusado de fazer um 'voo suicida'. Isso porque agora existem diversos elementos contra ele. O mais novo foi elucidado por Omar Durán, advogado da família de Fernando Goytia, copiloto que também faleceu na tragédia. No dia 29 de novembro, a aeronave caiu a 38 Km do aeroporto de Medellín, matando 71 pessoas. Apenas seis então entre os sobreviventes.

De acordo com o advogado, Miguel Quiroga não poderia voar. Além do mandado de prisão que tinha pelos militares bolivianos, por não ter cumprido a chamada compensação pelos seus estudos gratuitos, o piloto não estudou o suficiente para voar.

Publicidade
Publicidade

Ele não teria cumprido as horas de experiência mínimas para fazer voos comerciais. Portanto, Miguel não tinha experiência em fazer o fretamento de pessoas. "Parece que, no ano de 2013, manda-se uma informação falsa, e, apesar de ele não ter as horas de voo, é habilitado como piloto", disse o advogado, surpreendendo a imprensa mundial.

A família do piloto o defende e diz que ele era um homem experiente e que agia com cautela. "Ele também tinha vontade de voltar para casa", disse a esposa dele. De acordo com o advogado do copiloto, ele sabia da situação de Miguel, mas decidiu dividir isso apenas com sua família. O intuito do copiloto seria preservar a LaMia, companhia aérea que vive hoje a sua maior tragédia. O advogado diz que Goytia descobriu tudo porque era meticuloso e começou a desconfiar de padrões de segurança que não eram seguidos por Quiroga.

Publicidade

O piloto acabou confessando que não conhecia tão bem os aviões como deveria.

Enquanto a revelação aparece, a LaMia anuncia as indenizações das famílias dos mortos, apenas R$ 555 mil. Muitos devem recorrer devido ao valor considerado muito baixo. A caixa preta do avião que caiu na Colômbia hoje está na Inglaterra, onde é periciada por técnicos. A previsão é que a investigação possa demorar até um ano. #Chapecoense