Parece que 2016 vai ser punk até a contagem regressiva para 2017. O ano, que para muitos pareceu uma década, promete ainda muitas polêmicas nas poucas horas que lhe restam. Nesta quarta-feira, 28, uma importante associação de militares da Polícia Militar e dos Bombeiros publicou uma carta, na qual avisa sobre um ameaça grave que está por vir no Réveillon de Copacabana, no Rio de Janeiro, o mais conhecido do Brasil. No texto, os militares ainda solicitam que a festa seja cancelada, evitando assim possíveis vítimas. A possível tragédia, segundo o texto, seria causada devido a falta de dinheiro nos cofres públicos cariocas.

O UOL disse que procurou a assessoria da prefeitura do Rio, que anunciou neste ano uma festa menor devido à crise, mas essa não havia respondido ao portal até às 20h30, no horário de Brasília.

Publicidade
Publicidade

A festa deste ano pretende trazer cerca de dois milhões de pessoas à orla com um custo de cinco milhões de reais. A queima de fogos, que outrora tinha dezesseis minutos, agora terá apenas doze minutos, o que, segundo os organizadores, não estragará a festa. O que motivou a mudança foi a falta de empresas interessas em patrocinar a virada. Com isso, a prefeitura teve que arcar com o próprio bolso.

Na carta pública dos militares, eles preveem protestos violentos e dizem que a falta de efetivo policial pode provocar grandes manifestações, inclusive, de bandidos. Essas manifestações, de acordo com a nota, teriam capacidade até de agir contra a integridade da população. Com isso, a associação recomenda que os shows artísticos e a queima de fogos sejam cancelados. Os caminhões com os fogos já até chegaram à praia.

Publicidade

Eles serão montados em balsas ao longo da orla. Dessa vez, um único palco terá apresentações. Antes, eram pelo menos dois. O texto no qual os militares preveem o caos na virada é assinado pelo coronel Adalberto de Souza Rabello, presidente da associação dos PMs e Bombeiros.

Na sua opinião, a festa da virada deve mesmo ser cancelada, devido a falta de segurança? Comente. #Crime #Investigação Criminal