Na manhã desta última segunda-feira (12), o pátio do Colégio Estadual Júlio de Castilhos, foi tomado por um tumulto durante um enfrentamento entre policiais militares e alunos, em Porto Alegre, Rio Grade do Sul. Ao que parece a confusão teria começado depois que um adolescente, de 17 anos, estudante da #Escola, começou a discutir e agredir fisicamente um colega durante uma briga no pátio destinado às aulas de educação física.

Outros alunos também se envolveram na confusão e a polícia militar foi chamada para conter a situação. De acordo com a coordenadora e diretora da escola, Fernanda Gaieski, a situação saiu fora do controle e foi preciso que a PM interferisse, o aluno estava extremamente agressivo, bateu em dois outros alunos e xingou os professores e supervisores do colégio.

Publicidade
Publicidade

No entanto, a chegada da polícia que deveria contribuir para apaziguar a situação acabou levando a ainda mais confusão. Ao que parece, no momento em que um dos policiais foi conter o aluno, outros estudantes se revoltaram e aparentemente teriam agredido um policial. Foi quando em uma demonstração de força, a PM utilizou de cassetetes contra os adolescentes.

Veja as cenas da confusão no link a seguir:

Diversos alunos filmaram o conflito e colocaram nas redes sociais para denunciar a ação da polícia que denominaram de ‘truculenta’. Para muitos que estavam presentes durante o ocorrido, houve abuso de poder e do uso da força durante o trabalho da polícia.

Para tentar acalmar os ânimos dos estudantes, que ficaram revoltados, a diretora, suspendeu as aulas do colégio até o dia de hoje quarta-feira (14).

Publicidade

Além disso, a secretaria de educação receberá representantes da escola para poder entender o que aconteceu.

A versão da PM, no entanto, é outra, segundo o Major Macarthur Vilanova, comandante do 9º Batalhão, a polícia apenas se defendeu das agressões dos alunos. Ele disse que não estava no local, mas o relato dos outros policiais envolvidos é de que os alunos estavam ‘incontroláveis’. Foram quatros os policiais acionados para irem até a escola, eles também serão ouvidos para que o caso seja entendido corretamente.

#Crime #Casos de polícia