Um homicídio contra uma mulher foi registrado na noite desta segunda-feira, dia 26 de dezembro, na cidade de Piracanjuba, em Goiás, que fica a 87 quilômetros de Goiânia, a capital do estado.

Raniele Rodrigues, de 24 anos, morreu após receber um tiro na cabeça. O suspeito de cometer o assassinato é um policial militar de 59 anos que está na reserva. A vítima e o acusado já se relacionaram em outra oportunidade.

A Polícia Civil do Estado de Goiás começou a ouvir as testemunhas na manhã desta terça (27/12). As primeiras informações são de que Raniele havia tentado defender a nora do acusado durante um desentendimento familiar.

Publicidade
Publicidade

O acusado não gostou e os dois se desentenderam.

O suspeito, após discutir com a vítima, a ameaçou de #Morte, e pediu que ela não entrasse na briga da família. Pouco tempo depois, o homem atirou no rosto da jovem e fugiu com destino ignorado. A jovem tinha três filhos, sendo eles duas meninas de dois e quatro anos, e um garoto de oito anos.

O corpo dela foi encaminhado para a o IML de Morrinhos, no Sul de Goiás, e posteriormente foi liberado para a família. A Polícia Civil começou as investigações sob o comando do Delegado Tibério Martins, ainda na cena do crime.

Brasil é o quinto colocado em assassinatos de mulheres no mundo

Foi feito um Mapa da #Violência comparando os dados de homicídios contra as mulheres em 83 países, e neste mapa o Brasil é o quinto colocando entre aqueles que mais matam mulheres no mundo.

Publicidade

Cerca de treze mulheres são vítimas de homicídios por dia no Brasil.

O Brasil está nesta triste colocação devido à taxa de 4,8 homicídios registrados contra mulheres para cada 100.000 habitantes, ficando atrás apenas de países como El Salvador, Colômbia, Guatemala e Rússia.

Estes dados são da Faculdade Latino-Americana de Ciências Sociais (Flacso) e foram registrados no ano de 2015. Nos últimos dez anos, os números de assassinatos de mulheres aumentaram 21%.

Em geral os autores dos crimes são atuais ou ex-maridos. As circunstâncias das mortes evidenciam a violência no lar, já que menos da metade dos assassinatos são cometidos por arma de fogo. #Casos de polícia