Matéria atualizada

Nesta quinta-feira (01), três dias após a tragédia, o apresentador e repórter Roberto Cabrini divulgou uma chamada de seu programa no SBT em que aparece em meio aos pedaços do avião que levava o time da Chapecoense. Nas cenas, o jornalista que é conhecido por estar sempre presente em locais inusitados e polêmicos, aparece perto dos pertences das vítimas que ainda estão no local e mostra as imagens da destruição. A ação de ir até a região e exibir as cenas gerou muita #Polêmica, várias pessoas se manifestaram dizendo que o apresentador estaria se aproveitando da dor dos familiares em um momento delicado como esse. Cabrini sempre foi respeitado por fazer reportagens em locais onde outras pessoas não iam, ficou conhecido pela sua retidão e seriedade nos programas que apresentou.

Publicidade
Publicidade

O programa chamado ‘Conexão Repórter’ ainda não foi ao ar, mas já levantou a discussão. De modo geral, a televisão brasileira se transformou em um mar de tragédias, em que jornalistas, apresentadores e repórteres tentam se aproveitar de situações dramáticas para embasarem as suas reportagens.

Sobre o acidente

Os serviços de resgate na área terminaram e o balanço divulgado pelos oficiais colombianos é de que o #Acidente ceifou a vida de setenta e uma pessoas, sendo que seis foram resgatados com vida. Dentre os sobreviventes estão dois tripulantes, três jogadores e um repórter. Eles continuam internados em um hospital em Medelín, que era a rota final do voo que matou praticamente toda equipe do Chapecoense. Seria o primeiro jogo internacional do time que ficou conhecido por ascender da quarta divisão do campeonato brasileiro à primeira em pouco tempo.

Publicidade

Além disso, a equipe de Chapecó conseguiu chegar à final da Copa Sul Americana e disputaria o jogo na Colômbia. Infelizmente, eles não conseguiram chegar ao destino.

Ao que tudo indica o acidente foi causado por uma pane elétrica gerada pela falta de combustível. O avião da empresa LaMia teria quase três mil quilômetros de autonomia e a distância a percorrer era praticamente essa entre a Bolívia e a Colômbia. A aeronave não tinha combustível suficiente para continuar o trajeto caso algum imprevisto acontecesse, e essa parece ter sido a causa do desastre.