A maldade e a frieza humana não tem limites, a cada dia os noticiários divulgam matérias que, para qualquer pessoa comum, são inacreditáveis. A sociedade chega a pensar que não irá se surpreender com mais nada. Doce ilusão, pois basta um dia para que mais uma vez a população inacreditavelmente seja escandalizada com uma nova notícia.

A violência urbana que hoje é o maior câncer da sociedade toca mais profundo nos corações quando tem crianças envolvidas. E uma destas notícias monstruosas aconteceu no estado de Goiás, na cidade de Catalão, situada do sudeste de Goiás.

Uma tragédia familiar foi registrada pela Polícia Civil, pois um jovem de vinte anos foi preso acusado de cometer uma barbaridade com seu irmão menor.

Publicidade
Publicidade

Uma testemunha relatou para a polícia que flagrou o jovem de vinte anos violentando sexualmente o seu irmão de apenas dez anos de idade. Durante o depoimento do acusado ele confessou os abusos, e disse ainda mais. Segundo ele a violência contra o seu irmão menor já acontecia há pelo menos seis anos.

O delegado Vagner Sanches Pedroso, que comanda as investigações do caso, relatou que o suspeito está preso desde a última quinta-feira (22), quando uma testemunha flagrou o caso na residência e denunciou à Polícia Civil, que imediatamente começou a investigar as acusações.

Além do acusado, a criança de apenas dez anos também foi ouvida pela Polícia. Ela relatou ao delegado todos os detalhes desta monstruosidade. Segundo a criança, a violência sexual acontecia quando o pai dos irmãos saía para ir para o trabalho.

Publicidade

Além da violência física o jovem de vinte anos praticava a violência psicologia, pois ele ameaçava o garoto de morte.

A criança estava muito abalada na delegacia, a todo o momento pedia para que os policiais deixassem o seu irmão preso, pois ele tinha pavor dele. O rapaz, que está preso, possivelmente irá responder pelo crime de #Estupro a vulnerável, que pode render quinze anos de prisão.

A criança, que está muito abalada psicologicamente, foi entregue aos seus pais. Ela deve ter acompanhamento psicológico. #Inacreditável #Casos de polícia