O nome de um vidente ficou conhecido neste ano no Brasil graças à uma tragédia sem precedentes. Carlinhos, durante um programa de televisão em março deste ano, falou que um avião levando um time de futebol cairia, vitimando os jogadores. No dia 29 de novembro, a aeronave que levava os atletas da Chapecoense para a final da Copa Sul-Americana acabou caindo. A queda foi a 38 Km do aeroporto de Medellín, na Colômbia. 71 pessoas morreram. Seis sobreviveram. Algumas delas, como o jogador Alan Ruschel já foram até liberados pelos médicos, mostrando uma recuperação muito grande. Ele poderá passar as festas de Natal e ano novo com a família.

Além da tragédia da Chapecoense, no mesmo programa de televisão, Carlinhos previu outros dois grandes males ao território brasileiro.

Publicidade
Publicidade

Um deles já aconteceria no ano que vem. Ele diz que um fenômeno natural, como um maremoto, atingiria o Sul do país. A cidade mais afetada seria Balneário do Camburiú. O mar avançaria algumas quadras da região, atrapalhando o turismo e fazendo muitos estranhos financeiros, além é claro de vítimas. No entanto, nenhuma previsão deu mais medo do que a envolvendo um suposto terremoto.

Carlinhos garante que tremores de terra atingiriam o estado de São Paulo. Mais de cem prédios, segundo ele cairiam na maior cidade brasileira. Os tremores também seriam sentidos em outros estados e até mesmo em países vizinhos, como Chile e Colômbia. É bom lembrar que o Brasil nunca teve um terremoto relevante. Apenas abalos pontuais fizeram algumas vítimas.

O paranormal também fez uma previsão difícil para o cantor Zezé Di Camargo.

Publicidade

De acordo com o #Vidente, em 2017, ele pararia de cantar para todo o sempre. O motivo seria um problema nas cordas vocais, doença que ele já teve há alguns anos. Dessa vez, a enfermidade viria mais forte e Zezé, já cansado de tanto trabalhar, escolheria parar e viver do que ganhou ao longo dos anos. Na sua opinião, é possível alguém realmente ter a capacidade divina de ver o futuro? Deixe a sua opinião. Ela é sempre importante.