No Brasil, vivemos com uma grande diversidade de religiões e as pessoas buscam seus caminhos, no credo que mais se adapte às suas convicções. O trágico acidente da última terça-feira (29), tem gerado uma grande polêmica por conta de testemunhos diversos de representantes religiosos, que vieram à mídia expor seu parecer nos últimos dias. A começar pelo médium vidente Carlinhos, que alegou saber deste acidente há mais de um ano, quando deu diversas entrevistas a programas de televisão. Não demorou muito e a sensitiva Márcia Fernandes, que é muito conhecida pela mídia, especialmente por abordar assuntos de mortes de famosos, gravou um vídeo onde afirma ter feito contato espiritual com os jogadores da #Chapecoense, relatando o desespero dos acidentados que, desencarnados, não sabiam o que estava acontecendo.

Publicidade
Publicidade

Isso gerou desconforto em muitas pessoas que não compartilham da mesma crença, incluindo os evangélicos, pois estes não acreditam em vida após a morte.

O pastor Cláudio Duarte, da Igreja Batista Monte Horebe do Rio de Janeiro, indignado com a propagação destes vídeos, veio a sua rede social expressar o seu não contentamento e alertar seus seguidores quanto a não veracidade no conteúdo compartilhado. Cláudio cita um trecho da bíblia com a óptica de Salomão sobre vida pós morte, onde diz que os mortos de nada sabem, que não existe conhecimento, planejamento e nem sabedoria na sepultura, o pastor cita Eclesiastes 9.5.6,10 e o salmo 146.4, onde diz: “Sai-lhe o espírito, volta para a terra; naquele mesmo dia perecem os seus pensamentos”. o pastor finaliza, comparando a existência terrena a chama de uma vela, que quando se apaga, não tem destino, ela simplesmente acaba.

Segundo os evangélicos interpretam na Bíblia, quando um ser humano morre, voltará a sua matéria original, com a qual foram criados, em Gênesis 3:19 se lê: “…porque tu és pó e ao pó tornarás”.

O espírita André Marouço também veio a público dar seu parecer sobre o acidente onde 71 pessoas morreram, segundo ele na versão kardecista, este foi um desencarne coletivo, onde nada poderia ser feito, já que eventos de morte têm data marcada para acontecer, confira aqui a entrevista polêmica. #ForçaChape #Médium espírita