Mais um vídeo mostra uma vítima de assalto reagindo em espaços urbanos e em plena luz do dia. As imagens foram produzidas por meio de uma câmera de segurança.

A vítima está encostada a um carro, mexendo no celular de forma distraída quando ocorre a abordagem. O assaltante chega em uma motocicleta. Ele desce da com o capacete da garupa, enquanto o comparsa se posiciona mais a frente para fazer a cobertura e aguarda para dar apoio à fuga.

O assaltante que aborda a vítima é franzino e aparenta não ter mais de 18 anos. Ele já se aproxima com revólver em punho e exigindo a rendição do alvo, que coloca as mãos ao alto e obedece todos os comandos do bandido.

Publicidade
Publicidade

A vítima entrega o celular e depois a corrente de ouro. Na sequência, deita no chão, conforme ordena o assaltante.

O meliante dá o assalto por encerrado e já se retira para a fuga de moto. A vítima, que estava armada, saca o revólver e ainda do chão faz os disparos. Em função do peso, o homem carece de maior agilidade. De qualquer forma, tenta se erguer. Consegue, mas com desequilíbrio. Os segundos desperdiçados são preciosos e os disparos recomeçam. A vítima se esforça para acertar a mira, fechando um dos olhos para ter maior precisão e atingir os bandidos, que nesta hora já estão em movimento.

No vídeo não fica claro se os marginais foram atingidos e também não há informações se os mesmos revidaram. Populares e moradores que escutam o tiroteio saem de uma das residências e se aproximam para saber o que houve.

Publicidade

Após os 32 segundos de filmagem as imagens cessam.

Publicada em uma página no Facebook dedicada a adeptos da atividade de instrução de tiro, os mais de setenta comentários divergem sobre a reação da vítima. Enquanto alguns internautas criticam a distração e a falta de agilidade do homem assaltado, outros ponderam que ele fez o que era possível, resguardando a própria vida.

Alguns ainda questionam o perigo dos tiros acertarem inocentes que nada tinham a ver com o ocorrido. Em 14 horas foram mais de 130 compartilhamentos.

#Crime #Casos de polícia