Um vídeo publicado nesta sexta-feira (2), no Youtube, alerta para algo muito sério nas grandes cidades do País: o sequestro de menores.

As imagens, gravadas por câmeras de um circuito de monitoramento viário, mostram o momento exato em que dois homens em uma motocicleta concretizam o suposto rapto de uma criança.

As cenas começam mostrando um grupo de meninos numa rua jogando “taco”. Uma delas assiste a brincadeira na calçada. Ela está de vermelho e aparenta ter no máximo 5 anos. Uma mulher também de vermelho está próxima, tomando conta da criançada.

Em um dado momento, dois homens numa motocicleta passam devagar por entre os garotos, fazem a volta e vão embora.

Publicidade
Publicidade

Instantes depois eles voltam, em velocidade ainda menor. Após contornarem a rua se aproximam do ponto onde está o menor na calçada. Nessa hora a mulher que estava no local havia saído de perto.

O piloto reduz a velocidade e o sujeito que está de carona pega a criança e a coloca entre eles. A mulher e as demais crianças percebem o que acaba de acontecer e tentam alcançar os dois suspeitos, sem sucesso. Eles aceleram e partem rapidamente.

Não há como saber até o momento as circunstâncias em que as imagens foram feitas. Pode ser um pai pegando o filho, pode ser realmente uma dupla de sequestradores de crianças ou pode até mesmo ser uma brincadeira de mau gosto.

Ainda assim, o vídeo serve de alerta, uma vez que es estatísticas de sumiço de menores no Brasil são chocantes.

Tanto é assim que há até uma data separada no calendário para lembrar dessa questão.

Publicidade

É 25 de maio, marcado como Dia Internacional da Criança Desaparecida.

Segundo levantamento de entidades que atuam nessa área, cerca de 40 mil crianças e adolescentes desaparecem sem deixar rastros no Brasil. No Estado de São Paulo foram 13 mil em 2013.

A ONG Mães da Sé, que atua na busca por desaparecidos há 10 anos, informa que 40% dos casos registrados no Estado envolvem crianças e adolescentes. As ocorrências mais comuns são nas faixas etárias de 13 a 18 anos, e no sexo feminino.

#Crime #Casos de polícia