Um valor mínimo e fixo para todos os cidadãos, independente de renda, idade ou de situação funcional. Pode parecer utopia, mas essa proposta, denominada Renda Básica Universal (RBU), pode ser implantada ainda esse ano por várias nações desenvolvidas do mundo. Tais países vem discutindo a medida há algum tempo, já considerada polêmica.

Uma reportagem da BBC traz elementos que envolvem o assunto e inicia o texto já com a pergunta “Já pensou receber um salário mensal sem precisar trabalhar?”.

O veículo de imprensa cita a Finlândia como exemplo. Por lá o Estado iniciou agora em janeiro um projeto piloto com inicialmente duas mil pessoas.

Publicidade
Publicidade

Os cidadãos felizardos vão ganhar o equivalente a R$ 1.900,00 (560 euros). Se fosse no Brasil, seriam pouco mais que dois salários mínimos.

Vale lembrar que por aqui existe a lei que prevê a Renda Básica de Cidadania, elaborada pelo ex-senador Eduardo Suplicy (PT-SP), mas que apesar de aprovada há 12 anos, nunca foi regulamentada.

A BBC traz, além da Finlândia, outras experiências ou tentativas de implantar o mesmo sistema em outros países. Confira:

Canadá

Projeto experimental começará em três meses. Todos os canadenses, com carteira assinada ou não, receberão uma renda.

Estados Unidos

Por lá há uma experiência já em vigor. Começou em 1982, no Alasca. O governo transfere a todos os habitantes um valor vindo dos investimentos dos royalties do petróleo. Até o ano passado, a quantia estava fixada em US$ 1.022 ou R$ 3.320,00.

Publicidade

Alemanha

No país mais rico da Europa os congressistas disseram não ao RBU temendo o aumento da imigração e também justificando que para que entrasse em vigor seria preciso mexer nos sistemas previdenciário e tributário.

Holanda

O país inicia neste mês uma experiência parecida com o RBU pelo prazo inicial de dois anos. No projeto, 300 pessoas de Utrecht e municípios do entorno terão direito a um mínimo de 900 euros, o que dá pouco mais de R$ 3 mil. O valor pode chegar a 1,3 mil euros, ou quase R$ 4,5 mil por mês.

Suíça

Em 2016, os suíços rejeitaram a possibilidade de uma renda básica a todos os habitantes em um referendo. A ideia era conceder o pagamento de 2,5 mil francos suíços ( R$ 9 mil) por adulto e 625 francos (R$ 2.350,00) por cada menor de 18 anos, independente de estarem ou não produzindo.

Índia

No país o RBU pode ser peça fundamental para manter o bem estar social, uma vez que a automatização dos meios de produção deve cortar 68% dos empregos nos próximos anos. Quem defende a medida é o Instituto Nacional de Finanças Públicas e Política, que critica o atual sistema de auxílio por não privilegiar quem realmente precisa. #Dinheiro