A aluna - identificada como Joy Wangari - da terceira séria da Escola Primária Mukandamia em Solio, no Quênia, morreu depois de ter sido supostamente espancada por seu professor e colegas porque não sabia ler. Os pais retiraram nesta segunda-feira, 30, seus filhos da escola após a morte da menina, que faleceu no domingo, 29, em um hospital da região. Ela tinha apenas dez anos de idade. O diretor-adjunto e professor da menina teria ordenado que os companheiros de Joy Wangari batessem nela porque ela não conseguia ler na aula. "O professor ordenou a seus companheiros de mesa que ensinassem a ler e a bater se não pudesse", disse Mary Wanjiku, mãe da menina. "Ele começou a bater na garota nas costas", continuou ela.

Os pais que ouviram falar do incidente de seus filhos alegaram que o professor feriu a garota antes de ordenar o espancamento, no que parece ser uma maneira dele aliviar as coisas para o seu lado.

Publicidade
Publicidade

Wangari, diretor da instituição onde tudo aconteceu foi à casa da garota machucada. "Eu visitei a menina em casa e ela parecia muito fraca e queixou-se de dores abdominais e costas", contou ele. Já uma vizinha da menina, contou que ela disse que foi espancada por seu professor e colegas de classe.

No domingo, a condição da menina piorou e ela foi levada para o hospital na cidade de Naromoru. Ela morreu durante o tratamento. A queixa do #Crime foi feita na delegacia de polícia de Naromoru, mas nenhuma prisão foi realizada. "A morte ainda não teve o seu motivo claro, mas nós entendemos que a criança morreu no hospital e os médicos não podem ainda determinar a causa dela", disse um representante da polícia da região, identificado como Mbaluku. "Uma vez que o exame post mortem é feito, vamos saber a causa da morte", concluiu ele.

Publicidade

Ele disse que os alunos que estavam na sala de aula foram questionados sobre a atitude do professor, que desde então se escondeu. O nome do agressor, até o momento, não foi identificado pela imprensa internacional. Na sua opinião, o que deveria acontecer com ele? Comente! #Investigação Criminal