Neste fim de semana, o jornal 'O Globo' deu destaque a arquivos divulgados pelo jornalista Elio Gaspari, que foram conseguidos no período da 'ditadura militar'. Esses documentos serviram para fazer um retrato do período que durou cerca de vinte anos no país. Um dos documentos mostra que um presidente americano teve a ideia de invadir o país. O áudio divulgado chama a atenção e mostra o presidente americano John F. Kennedy discutindo sobre o que aconteceu no Vietnã e no Brasil. A reunião aconteceu a apenas quarenta e seis dias antes do político ser assassinado na cidade de Dallas, no estado Texas, nos Estados Unidos. Ele foi morto com um tiro certeiro na cabeça, quando fazia um passeio de carro aberto.

Publicidade
Publicidade

De acordo com o áudio, Kennedy tinha a intenção de usar as forças militares dos Estados Unidos para intervirem no Brasil, em tempos em que o presidente João Goulart ainda governava o país. Em entrevista ao jornal 'O Globo', no entanto, a cientista política Maria Celina D'Araújo, contesta esse tipo de informação. De acordo com ela, o golpe no Brasil não teve interferência dos Estados Unidos e foi todo organizado "Made in Brazil". Ela, no entanto, disse que os americanos até estavam realmente dispostos a fazer a intervenção.

Ela lembra que a capital americana, Washington, estava preparada para um cenário de guerra civil. No entanto, isso não foi preciso. O que houve nesse período, no entanto, foi o que ficou conhecido como o período da Guerra Fria, um momento de tensão entre as maiores potências do planeta.

Publicidade

A conversa de Kennedy, no entanto, ganhou destaque na internet e chocou muita gente. Alguns até fizeram teorias da conspiração. Em grupos de militares e de direita, João Goulart foi até acusado de conspirar pelo assassinato do presidente americano, fato que sequer é cogitado oficialmente pela inteligência americana.

Na sua opinião, caso a intervenção militar americana acontecesse, que efeitos isso poderia ter causado no Brasil de hoje? Deixe o seu comentário. Ele é sempre importante. #Crime