Nesta quarta-feira, 25, o portal de notícias R7 publicou uma ampla reportagem que fala sobre um anúncio que revolta muita gente, presos de crimes que marcaram o Brasil vão sim sair da cadeia. A matéria fala sobre cinco casos importantes, como do goleiro Bruno, acusado de matar sua ex-amante e mãe de seu filho, Eliza Samudio. Isso porque a pena máxima de reclusão no Brasil é de 30 anos. Mesmo que a pessoa cometa inúmeros assassinatos, ou crimes diversos, ela não pode ficar de uma única vez mais do que esse tempo em uma penitenciária. Além disso, após a pena de reclusão, muita coisa acontece. O bom comportamento do prisioneiro, por exemplo, pode dar a ele, regalias, como o regime semiaberto ou até mesmo a liberdade em alguns casos.

1 - Um dos casos que marcaram o país foi a morte da menina Isabela Nardoni.

Publicidade
Publicidade

O #Crime aconteceu em março de 2008. Nove anos depois, ele ainda é muito lembrado. Na época em que Isabela foi jogada de uma janela de um prédio de São Paulo, ela tinha apenas cinco anos de idade. O pai da menina, Alexandre Nardoni, e a mulher dele, Anna Carolina Jatobá, foram condenados pela morte da menina. O pai de Isabela pegou a pena máxima, 30 anos. No entanto, ele pode deixar a prisão em 2026, já que existe a possibilidade de redução de pena por bom comportamento. Já Anna, condenada a 26 anos, ainda tem dezesseis anos a cumprir.

2 - Morte de Eliza Samudio - esse caso foi um dos crimes envolvendo figuras esportivas que mais repercutiram em todo o país. Eliza tinha apenas 25 anos quando teria sido morta. Seu corpo, no entanto, jamais foi encontrado. A sentença de Bruno, ex-goleiro do Flamengo, foi de 22 anos.

Publicidade

A expectativa é que o ex-atleta saia da cadeia, no entanto, entre os anos de 2024 e 2027. Até hoje, o ex-goleiro do Flamengo nega que tenha mandado matar ou tenha assassinado a mãe de seu filho. A condenação dele, no entanto, foi dada em 2013.

3 - Outro caso que repercutiu no Brasil foi a morte de Mercia Nakashima. O namorado de Mercia, Mazael Bispo, foi condenado a vinte anos de prisão pela morte da advogada. A expectativa dele, no entanto, é que já possa estar livre daqui a uma década.