Essa semana foram divulgados os áudios gravados por Sidnei Ramis Araújo, de 46 anos, o homem responsável pela chacina de Campinas. Nas gravações ele conta como planejava matar não só ex-mulher Isamara Filier e o filho João Victor, de 8 anos, mas toda a família dela que estaria comemorando o fim de ano no mesmo lugar.

Nos áudios que impressionam pela frieza ele pede desculpas ao filho e à namorada, a esta última ele se declarou, dizendo que a amava e que só não tinha feito uma besteira antes por causa dela. Para o filho ele deixou o recado de que estaria planejando tudo porque o amava, e que precisava ‘salvá-lo’ da própria mãe.

Publicidade
Publicidade

Além das escutas encontradas em um gravador dentro do carro do assassino, ainda foram divulgados áudios de telefone, em que Sidnei aparece discutindo com Isamara a respeito do filho. Em uma das ligações em que ele liga para o menino, o garoto se recusa a falar com ele chorando, e a mulher diz ao homem para ligar depois, o que o deixa aparentemente muito irritado.

Em outro momento ele aparece conversando com João Victor, e perguntando a ele sobre determinado brinquedo que o mesmo havia ganhado. Os áudios são estarrecedores e mostram um planejamento ardiloso sobre a morte de todas as pessoas da família. Escute as gravações impressionantes no link a seguir:

O homem que pulou o muro e matou doze pessoas da mesma família, incluindo o filho, relata nos áudios gravados por ele mesmo, onde havia conseguido a arma.

Publicidade

Segundo ele, teria raspado a numeração para não comprometer o fornecedor, que seria uma viúva de um policial militar.

Ele ainda pede para que não a investiguem, pois a suposta mulher nunca poderia imaginar o que ele faria com a arma, ela seria somente uma pessoa que precisava de dinheiro, pois ‘mulher de PM morto não recebe nada’. Sidnei invadiu a residência na noite da virada de ano, quase à 00h com a pistola, dois cartuchos, e dez explosivos.

Em tom de ironia ele ainda pede desculpas para as equipes de resgate e da PM que teriam muito trabalho depois do massacre que ele faria. Em nenhum momento ele parece arrependido com a decisão e se mostra orgulhoso dos planos de assassinato. Isamara o denunciou cinco vezes desde 2002, quando ainda era casada com ele, a última denúncia foi no ano passado, ela não era assegurada pelas medidas protetivas da Lei Maria da Penha. #Crime #Casos de polícia