Conseguimos imagens inacreditáveis de um acidente de #Helicóptero que ocorreu em Minas Gerais. As imagens obtidas foram feitas do interior e do exterior de um helicóptero modelo Robinson R-44.

As imagens obtidas de dentro do receptáculo do helicóptero foram feitas por uma mulher, vítima do acidente, que demonstra euforia ao entrar no helicóptero para fazer um passeio.

As imagens externas foram obtidas por pessoas que acompanhavam a decolagem do helicóptero. O acidente ocorreu no domingo (22), por volta das 16h, próximo da ponte do Rio Turvo, no km 306 da MG-050, região de #Furnas. A Anac (Agência Nacional de Aviação Civil) investigará o acidente.

Publicidade
Publicidade

O primeiro vídeo mostra o piloto e passageiros se preparando para voar no helicóptero. Ouve-se, ao fundo, a pergunta de quanto custaria o voo, R$100 ou R$150, o piloto responde que R$150.

Quando a aeronave decola, é possível ouvir uma sirene que pode indicar sobrepeso ou alguma falha mecânica. Alguns segundos depois de sobrevoar o lago, a aeronave se desestabiliza e vai de encontro com a água numa cena chocante. No vídeo, a partir do momento da colisão, nenhuma voz é mais ouvida.

As investigações do Cenipa (Centro de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos) não tem prazo para ser concluída. Ainda em fase inicial, pode levar meses.

Outro vídeo, obtido com pessoas que acompanhavam a decolagem, pode ajudar melhor a esclarecer os fatos. A aeronave decola e dá uma volta sobre o lago de Furnas.

Publicidade

Posteriormente, em uma segunda volta, se afasta e nitidamente percebe-se que perde a estabilidade de voo e se choca contra a água. O desespero das pessoas que assistiam à cena pode ser ouvido na gravação.

O piloto, que tem 29 anos, contou que, após decolar, o helicóptero foi atingido por uma forte rajada de vento por trás. Ainda tentou evitar o acidente, mas o que foi possível fazer foi minimizar o risco de morte.

Todas os quatro passageiros, além do piloto, sobreviveram com ferimentos leves. Eles não permitiram que fossem gravadas entrevistas ou que o hospital liberasse nota sobre o estado de saúde. Mas, segundo testemunhas, saíram todos caminhando do acidente.

Em nota, a Anac informou que o piloto era habilitado para fazer passeios dessa natureza, mas o helicóptero era privado. Esse tipo de passeio, se comprovado que era realmente turístico e pago, só é permitido por empresas registradas, como de táxi aéreo, o que não era o caso. Mais detalhes só serão fornecidos após a conclusão das investigações.

Gravação de dentro do receptáculo:

Gravação externa do acidente por pessoas que acompanhavam a decolagem:

#Acidente aéreo