Parada pela polícia das Filipinas no aeroporto de Manila com mais de seis quilos de cocaína na bagagem, a brasileira Yasmin Fernandes Silva, de 20 anos de idade, está atrás das grades há três meses sob a acusação de tráfico de entorpecentes.

Há o temor que ela possa ser condenada à morte, como aconteceu com outros brasileiros, na Indonésia recentemente.

Yasmin foi presa no Aeroporto Internacional Ninoy Aquino (Naia), na cidade de Manila, quando tentava desembarcar. Ela havia saído de São Paulo e feito escala em Dibai, antes de chegar às Filipinas.

A acusação é de que ela trazia na mala, escondida em um travesseiro, 6,2 kg de cocaína pura.

Publicidade
Publicidade

A prisão e os dados da apreensão foram divulgados pelo Grupo Intergovernamental de Intermediação de Drogas (IADITG).

O Itamaraty está acompanhando de perto a situação da brasileira, e ressaltou que a Embaixada do Brasil em Manila mantém apoio à ela fornecendo um advogado.

De acordo com os policiais, a prisão da jovem ocorreu no dia 3 de outubro, no setor de bagagens. No momento em que policiais revistaram sua bagagem a brasileira se manteve calma, como mostram fotos tiradas na ocasião.

Não há certeza sobre o que ocorrerá com Yasmin, mas a detenção da jovem preocupa, em função do endurecimento dos países orientais no combate ao tráfico internacional, punindo com a morte aqueles que transportam a mercadoria ilegal, ainda que em pequenas quantidades.

O Brasil perdeu dois compatriotas nesta situação em 2015.

Publicidade

Em janeiro daquele ano Marco Archer foi executado. Três meses depois foi a vez de Rodrigo Gularte. Ambos foram mortos pela Justiça da Indonésia.

Assim como a Indonésia, o governo das Filipinas está procurando punir com rigor quem é flagrado levando drogas ao seu território. Dados do próprio governo apontam que mais de 3,5 mil pessoas foram mortas em ações policiais nessa área.

Inclusive, o presidente Rodrigo Duterte, que assumiu o cardo em 2016, tem afirmado que quer massacrar todos os usuários de drogas que alimentam esse comércio e condenam gerações inteiras.

#Crime #Investigação Criminal