Ela é bonita, jovem e inteligente. Bem formada, Yasmin Fernandes Silva, de apenas vinte anos, pode pagar com a própria vida por um crime que cometeu. Ela foi pega em flagrante com muita droga. O local para o flagrante não poderia ser pior, o aeroporto internacional de Manila, capital das Filipinas. O país tem duras regras contra o tráfico e até usuário. Dezenas são mortas todos os anos por usar ou transportar itens como maconha, cocaína e outros. No caso da brasileira, seis quilos da droga estavam escondidos dentro de um travesseiro. A droga foi encontrada no dia 03 de outubro e desde então ela está presa, aguardando um julgamento. De acordo com informações do site da Revista Veja, em reportagem publicada neste sábado, 14, o Itamaraty acompanha todo o caso.

O destino da brasileira não era as Filipinas, mas sim levar a droga para Dubai.

Publicidade
Publicidade

No meio do caminho, no entanto, o avião tinha um caminho a percorrer e ela foi detida por oficiais da imigração. O travesseiro pesado e suspeito, não demorou muito, chamou a atenção dos oficiais. A brasileira tinha saído do aeroporto de São Paulo. Agora Yasmin precisará de muita sorte.

O governo brasileiro até acompanha o caso, mas no passado, outros criminosos de nosso país, não tiveram clemência nas Filipinas. Após anos preso, eles foram fuzilados. Em 2015, os brasileiros Marco Archer e Rodrigo Gularte foram executados. Yasmin está recebendo assistência consular, assim como apoio jurídico de um advogado local. Isso pode não ser suficiente para ela, que sonha em ser julgada pela justiça brasileira, muito mais branca para esse tipo de #Crime. No Brasil, como sabemos, a pena máxima é de 30 anos de reclusão.

Publicidade

Não existe pena de morte no país.

Apoio sem força

Yasmin tem mais um fato contra ela. O presidente filipino, Rodrigo Duterte, disse, recentemente, que vai apertar o cerco contra os traficantes. Ele quer que a pena de morte para quem trafique volte a valer. Mesmo protestando, efetivamente, o governo brasileiro não tem o que fazer na prática.