O site da Revista Veja publicou nesta terça-feira, 3, um vídeo de extrema violência que causou uma enorme comoção nas redes sociais. As imagens, que não podem ser publicadas nessa plataforma devido a seu conteúdo, mostram como foi a rebelião no Complexo Penitenciário Anísio Jobim, o Compaj. O presídio está localizado na capital do Amazonas, Manaus. A publicação mostra diversos presos sendo decapitados. Nas imagens, as cabeças são estendidas em pleno pátio da penitenciária. Enquanto os corpos são esquartejados, os presos da facção "vitoriosa" na rebelião comemoram. O vídeo foi feito pelos próprio presidiários, através de um celular.

Apesar de proibido, o aparelho telefônico era um item comum dentro do Compaj.

Publicidade
Publicidade

Alguns presos que fugiram, por exemplo, chegaram a zombar da polícia, ao publicar imagens da fuga no Facebook. O conteúdo deu o que falar e gerou críticas à Secretaria Estadual de Segurança do Amazonas, que nitidamente não consegue fazer o controle local. O estado pediu o apoio do governo federal nessa empreitada. O Ministro da Justiça, Alexandre de Moraes, esteve na região, onde conversou com as autoridades locais. O massacre deixou pelo menos cinquenta e seis mortes e foi comandado principalmente pela Família do Norte (FDN). O grupo é ligado a duas siglas conhecidas dos brasileiros, o PCC e o Comando Vermelho. O primeiro está ligado à criminalidade em São Paulo. O segundo é conhecido no Rio de Janeiro.

Os celulares utilizados pelos presos para fazer as filmagens foram apreendidos pela polícia quando os agentes entraram na unidade.

Publicidade

Eles tiveram grande dificuldade para fazer a recontagem dos presos. Até o momento, pouco mais de trinta mortos foram identificados. Para a retirada dos corpos, os agentes utilizaram um caminhão frigorífico, desses que levam carne de açougue. O massacre em Manaus foi o maior desde o caso do Carandiru, quando morreram 111 presos.

Veja abaixo um vídeo com uma reportagem sobre a rebelião no presídio localizado na capital do estado do Amazonas, Manaus.

#Crime #Investigação Criminal