A Agência de inteligência dos Estados Unidos, a CIA, uma das que tem maior credibilidade pelo mundo, decidiu liberar provas chocantes que armazenou durante cinquenta anos. Ao todo, são onze mil documentos sigilosos sobre o Brasil. O caso foi dado com destaque nesta quinta-feira, 19, pelo jornal 'Folha de São Paulo'. De acordo com a publicação, as provas foram colhidas entre os anos de 1940 e 1990. Eles estão divididas em treze milhões de páginas diferentes e suas revelações acabaram virando uma notícia de grande impacto. Entre os documentos colhidos, estão recomendações sobre como os Estados Unidos deveriam de comportar no cenário internacional, além de análises sobre o Brasil.

As análises eram feitas semanalmente e anualmente.

Publicidade
Publicidade

Todas elas foram feitas sobre o Brasil. Muitos artigos de jornais mostram como era o país da época analisada. Espanta documentos colhidos sobre o ex-presidente Luiz Inácio #Lula da Silva, do Partido dos Trabalhadores (PT), nos tempos em que ele ainda era um simples líder sindical. Uma das provas liberadas, por exemplo, é no ano de 1986 e mostra os esforços do Partido dos Trabalhadores para crescer e não ficar sendo uma legenda apenas de operários. Anos depois, o partido acabou se tornando um dos mais fortes do país, elegendo quatro mandatos de presidente. Atualmente, a força do PT está menor, muito graças aos escândalos políticos que a sigla acabou se envolvendo.

O informe de 1986 da CIA dizia que Lula tentava criar uma militância mais forte, apostando, em especial, nos eleitores mais jovens, que tendem a aceitar melhor uma grande mudança no cenário política.

Publicidade

Na ocasião, Lula era apenas um deputado, mas tinha forte relação com um dos maiores líderes políticos da época. Ele intensificava, por exemplo, sua relação com o cubano Fidel Castro. O texto da Cia diz que Fidel hospedou Lula duas vezes em sua casa.

Na sua opinião, a liberação desses documentos pode prejudicar de alguma maneira a vida de Lula? Deixe o seu comentário. Ele é sempre muito importante.