O caso aconteceu em Bragança Paulista, interior de São Paulo, neste final de semana. Um menino de apenas 7 anos de idade, morreu eletrocutado ao ir a casa de seu vizinho e cair em uma armadilha feita pelo homem para pegar ladrão. A morte da criança causou comoção na cidade. O vizinho foi detido, pagou fiança e foi liberado.

A criança era Samuel Soares da Silva Beldrome, que saiu de casa a pedido de sua mãe, para ir à casa do vizinho pegar um liquidificador emprestado. O menino ao chegar à casa do vizinho e ninguém atendeu, ele então resolveu se aproximar, pois na casa não havia campainha, e ao tocar na porta para chamar o homem, recebeu uma descarga elétrica que ocasionou sua morte.

Publicidade
Publicidade

O vizinho da criança havia saído e deixou um fio desencapado preso à porta de alumínio, e ainda um tapete molhado na frente da porta. A armadilha feita por ele era para pegar ladrão e acabou vitimando a criança, que ao pisar no tapete e tocar na porta morreu eletrocutado.

O padrasto do garoto estranhou a demora do garoto e foi atrás dele, e ao chegar até casa do vizinho, viu o garoto que estava preso à porta de joelhos e já sem vida.

Segundo o delegado o caso foi registrado como homicídio culposo, pois o proprietário do imóvel assumiu o risco de matar quando energizou a porta, e instalou a armadilha. O homem foi detido, prestou depoimento pagou uma fiança no valor de R$ 1.000,00 e foi liberado.

Samuel era uma criança alegre e cheia de energia, brincava com todo mundo. Era querido por toda vizinhança.

Publicidade

Um dos vizinhos foi entrevistado classificou o fato como uma tragédia: “Isso que aconteceu aqui foi uma tragédia”, declarou ele.

O engenheiro eletricista Claudio Rigolo, afirmou que seria impossível alguém sobreviver à descarga recebida pela criança, pois em poucos segundos a pessoa pode ter ataque cardíaco, parada respiratória e consequentemente falência múltiplas dos órgãos.

No enterro do menino que aconteceu no sábado (28), estavam todos muito comovidos com o que tinha acontecido. Alguns familiares estavam inconformados com a morte prematura do garoto.

Desde o dia do incidente a casa do vizinho permanece fechada, ele também não foi encontrado para gravar entrevista.

#Crime #Casos de polícia