Desde o começo do ano, o #Brasil vem enfrentando uma enorme crise carcerária que, até agora, já fez pelo menos 127 mortes nas penitenciárias dos estados do amazonas, de Roraima e do Rio Grande do Norte.

Na Bahia, o fim de semana foi agitado e houve 2 tentativas de fuga em massa em penitenciárias diferentes, onde ao menos 38 presos conseguiram fugir. Segundo a assessoria de comunicação da Polícia Civil, 21 presos fugiram da carceragem da 4ª Coordenadoria de Polícia Civil do Interior (Coorpin) de Santo Antônio de Jesus, cidade Próxima a Salvador. Outra fuga ocorreu na madrugada da sexta-feira (13) no Complexo Penitenciário de Mata Escura, em Salvador, onde 17 detentos conseguiram escapar do complexo após serrar as grades de uma das celas.

Publicidade
Publicidade

Além disso, na penitenciária de Alcaçuz em Natal – Rio Grande do Norte - voltaram a se enfrentar e ocupando áreas externas da penitenciária e arremessam objetos contra pavilhões e muros. A Polícia Militar está na área externa do local e atira balas de borracha e bombas de gás contra os detentos.

O incidente no Ceará

Já no Ceará, mais precisamente em Itaitinga, região metropolitana de Fortaleza, o detento João Cleiton Carneiro de Oliveira, de 26 anos, que respondia por homicídio, roubo e porte ilegal de arma foi morto a tiros na madrugada do dia 19/01/2017.

Segundo relatos, havia um grupo armado fora da penitenciária que aguardava para dar cobertura a mais uma tentativa de fuga em massa. O grupo acabou entrando em confronto com policiais que faziam a guarda externa do presídio. Conflito esse que, além da #Morte do detento João Cleiton Carneiro de Oliveira, resultou em mais um policial ferido que foi encaminhado para o hospital Instituto Dr.

Publicidade

José Frota (IJF) e passa bem. Segundo a Sejus-CE, Secretaria da Justiça e Cidadania do estado do Ceará, nenhum detento conseguiu fugir. A delegacia de Homicídios e a Perícia estiveram no local.

Os governadores dos estados do Norte e Centro-Oeste estiveram reunidos com o Presidente Michel Temer para juntamente com o governo federal e as forças armadas tentar acabar com essa onda de violência que o país vem atravessando desde o início do ano. #Rebelião