A morte do ex-governador de Pernambuco e então candidato à presidência da república, Eduardo Campos, em 2014, ainda gera muitas teorias da conspiração, apesar de que, análises feitas pelos melhores peritos brasileiros garantem que o que aconteceu no litoral de Santos, em São Paulo, quando um jatinho caiu, não passa de um acidente. De acordo com informações do site da Revista Veja, em matéria publicada nesta terça-feira, 24, o dono do jatinho que caiu em Santos, o empresário João Lyra, decidiu contar tudo o que sabe sobre um esquema que pode envolver Campos. Investigadores da Polícia Federal acreditam que ele era o responsável por entregar propina para diversas empresas vinculadas ao ex-governador, do PSB.

Publicidade
Publicidade

João Lyra já avisou. Ele garante e diz que vai contar toda a verdade. A fala não foi apenas da boca para fora, já que ele assinou um acordo de delação premiada com o Ministério Público Federal (MPF). A delação é apenas um episódio da chamada 'Operação Turbulência', que foi aberta para analisar se a queda do avião com o ex-candidato à presidência foi ou não um acidente. De acordo com a Veja, o empresário que assinou a delação, confessou que é o único dono do avião que sofreu o acidente.A novidade aparece em um momento em que outra tragédia aérea, pouco mais de dois anos da de Campos, gera mais teorias da conspiração

O Ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Teori Zavascki, estava na aeronave que caiu em Paraty. Ele e outras quatro pessoas faleceram na queda. O Ministro estava responsável por decisões referentes à outra importante investigação do país, a Lava Jato.

Publicidade

Teori, assim que voltasse de férias, homologaria 77 delações premiadas que envolvem a empreiteira Odebrecht, principal investigada na operação contra a corrupção. Os depoimentos envolvem centenas de políticos, das mais variadas siglas do país.

No novo caso de Campos, além do avião, os investigadores dizem que Lyra negociou detalhes financeiros com grupos que teriam superfaturado negócios que envolvem o governo de Pernambuco. #Crime #Investigação Criminal