Detido desde esta segunda-feira, dia 30, por suspeita de recebimento de propina, o empresário #Eike Batista prestará depoimento à #Polícia Federal (PF) na tarde desta terça-feira, dia 31, na sede da PF no Rio de Janeiro. Eike está preso na Penitenciária Bandeira Stampa, conhecida como Bangu 9, para onde foi levado na tarde de segunda-feira após ter passado por triagem no presídio de Ary Franco, na Zona Norte da capital fluminense.

O antigo homem mais rico do Brasil foi preso na manhã de segunda-feira, no Aeroporto do Galeão, no Rio de Janeiro, após desembarcar de Nova York. Ele era considerado foragido pela PF. A prisão preventiva do empresário foi decretada após dois doleiros terem informado que Eike pagou propinas no valor de US$ 16,5 milhões ao ex-governador Sério Cabral, também detido pela operação da Polícia Federal que investiga propinas e desvio de verbas em obras públicas realizadas no estado do Rio de Janeiro.

Publicidade
Publicidade

Eike é investigado pelos crimes de lavagem de dinheiro e corrupção ativa.

Por não possuir curso superior, Eike não ficará em Bangu 8, mesmo presídio onde está o ex-governador Sérgio Cabral e outros presos nas operações Calicute e Eficiência, fases da operação #Lava Jato, que investiga desvios de verba por políticos e empresários. O empresário teve sua cabeça raspada e vestiu uniforme de detendo antes de ser transferido para Bangu 9.

Ainda em Nova York, Eike foi entrevistado por um jornalista da TV Globo sobre o caso. Durante a conversa, elogiou o Ministério Público e disse que “o Brasil que está nascendo agora vai ser diferente”. Durante a entrevista, afirmou estar à disposição da Justiça e disse estar cumprindo o seu dever. “Se foram cometidos erros, você tem que pagar pelos erros que fez”, declarou o empresário.

Publicidade

Questionado se acreditava ter errado, foi categórico: “Eu acho que não”.

Defesa

Advogado de Eike Batista, Fernando Martins esteve no presídio de Ary Franco enquanto o empresário passava pela triagem. Em entrevista, afirmou que as medidas iniciais visavam “preservar a integridade física” de Eike. Martins afirmou que ainda irá se reunir com Eike para traçar a linha de defesa, e declarou que o empresário se mostrou disposto a “prestar os esclarecimentos necessários” à PF.

Cárcere

Com capacidade para 541 presos e atualmente com 422 detentos, o Bandeira Stampa, localizado no complexo de Bangu, não conta com presos filiados a facções. No local, Eike está dividindo uma cela com outros seis homens, todos detidos em operações da Lava Jato. Com 15 metros quadrados, as celas tem beliches de concreto, canos de água fria para banho e um buraco no chão utilizado como vaso sanitário. Eike foi transferido de Ary Franco para o Bandeira Stampa após a Secretária de Administração Penintenciária do Rio de Janeiro admitir que não poderia garantir a segurança dele no primeiro presídio.

Publicidade

Segundo as investigações, Eike teria utilizado a conta de uma de suas empresas no Panamá para pagar propina a Sérgio Cabral. O contrato envolveria a suposta venda de uma mina de ouro localizada na Colômbia.