Não se falou de outra coisa nesses primeiros dias do ano. As rebeliões em presídios de diversos estados do Brasil chamou a atenção do povo. Nesta terça-feira, 17, o presidente Michel Temer anunciou que as Forças Armadas podem ser usadas para conter os detentos. O pedido deve ser dado pelos governadores estaduais. A medida foi assinada depois que mais de cem detentos foram mortos em motins por todo o país. Um dos últimos, que acabou com mais de vinte assassinatos, aconteceu na Penitenciária Estadual de Alcaçuz, em Nísia Floresta, município que faz fronteira com a capital do Rio Grande do Norte, Natal.

Nesta terça-feira, 17, um vídeo divulgado pelo site da revista Veja chocou muita gente.

Publicidade
Publicidade

Ele mostra uma reunião dos presos, após terem matado os colegas. A organização dos presos chama a atenção, especialmente porque o vídeo deixa claro que, assim como os sindicatos, eles possuem assembleias e fazem até votações para o que será feito no futuro. O vídeo mostra um suposto líder dos assassinatos. Ele discursa e parabeniza os colegas pelas mortes efetuadas. Nas imagens, dá para contar mais de cinquenta pessoas. Os presos seriam do Primeiro Comando da Capital (PCC). Eles agradecem a Deus, por mesmo em minoria, terem vencido o confronto com os rivais, invadindo os pavilhões vizinhos e promovendo atos como decapitação, esquartejamento e derramamento de sangue.

“Fé em Deus que ele é justo”, “Um por todos. Todos por um” e “Se Deus é por nós, quem será contra nós?”, são algumas das frases ditas em tom de oração pelos presos, que confessam em massa que cometem crimes, mesmo que estejam tecnicamente atrás das grades.

Publicidade

Veja abaixo o vídeo que mostra a oração feita pelos presos agradecendo o fato deles terem matado várias pessoas. Na sua opinião, o que as autoridades devem fazer para tentar reverter essa situação de confusão e falta de controle nos presídios brasileiros? Não esqueça de deixar seu comentário. Ele é sempre importante para todos nós e ajuda a criar um diálogo a respeito do tema:

#Crime #Investigação Criminal