O Primeiro Comando da Capital, o PCC, gravou um vídeo nessa semana, no qual faz uma ameça, levar a guerra entre as rebeliões na penitenciária de Alcaçuz, no estado Rio Grande do Norte, para as ruas. O caso foi relatado neste sábado, 21, pelo portal de notícias UOL. O vídeo tem os criminosos dizendo que não são moleques, mas sim bandidos. Eles deixam claro que são da facção do PCC, que é muito conhecida em São Paulo, por exemplo. A prisão de membros importantes da sigla fez com que bandidos do PCC fossem levados para as mais diversas regiões do país. Não se pensou, por exemplo, em se separar as facções rivais, como a Família do Norte (FDN).

Segundo o UOL, o vídeo foi gravado por um dos bandidos do grupo e enviado ao portal.

Publicidade
Publicidade

Nas imagens, há pelo menos vinte homens, que ostentam armas de calibre pesado. Todos estão tampando o rosto com camisas. Enquanto eles mostram as armas, um dos homens fala em nome do grupo. No comunicado, o líder dos bandidos confirma ser o responsável por vinte e seis mortes na maior rebelião do Rio Grande do Norte, que ainda não teve fim. O governado do estado diz que irá construir um muro no meio da penitenciária.

Depoimento dos presos chama a atenção do país

"Tire todos os Sindicato [sic] da unidade de Alcaçuz", começam eles. "Ou essa guerra vai se estender na rua e em outros demais Estados do Brasil", diz o preso, ameaçando levar o que ocorre entre as grades para o ar livre. Não é a pela primeira vez que esse tipo de ameaça é feita em vídeo. Costumeiramente, bandidos ameaçam a população.

Publicidade

Após a rebelião da capital do Amazonas, Manaus, os presos locais também fizeram ameaças parecidas.

Os criminosos ainda dizem que a guerra deles é contra os políticos e não contra a população em si, mas que se for necessário, lutará contra a polícia, queimará ônibus e vai botar o terror na região.

Veja abaixo o vídeo que os criminosos do PCC dizendo que a luta é contra quem os oprime, o governo. Nas imagens, os bandidos aparecem fortemente armados e com roupas tampando o rosto.

#Crime #Investigação Criminal