As drogas que destroem milhares de vidas todos os anos não são escoadas e distribuídas apenas nos morros e periferias do Brasil. Há quem tenha situação financeira privilegiada e também alimente essa indústria ilegal no país.

No último sábado (28), a Polícia Militar atendeu uma ocorrência que comprova os segmentos de classes média e alta na atividade. Na data em questão, agentes da Polícia Militar foram chamados a uma festa para universitários de Ipatinga, em Minas Gerais. Lá teriam encontrado vários estudantes de Medicina em pleno comércio de drogas sintéticas.

A ocorrência contou com a prisão de nove jovens de 20 a 32 anos.

Publicidade
Publicidade

Por

volta das 4h30 eles teriam sido flagrados com vários materiais ilícitos, em uma casa noturna conhecida como Scenarium. A boate funciona dentro de um ex-hotel, chamado Century Park Hotel.

Foram indiciados uma garota de 20 anos de idade, além de oito amigos: um de 23, um de 25, um de 26 anos, dois de 27, um de 30, um de 31 e o último de 32 anos.

Segundo conta no Boletim de Ocorrência, os agentes da Polícia Militar foram fazer uma averiguação no evento após receberem uma denúncia anônima. Por meio desta informação, a polícia montou uma operação e destacou equipes para o local. Foram realizadas abordagens em todos os presentes, resultando nos encaminhamentos de nove acusados para a Delegacia, já na condição de detidos por tráfico de drogas.

No entanto, há controvérsias no caso. A defesa de quatro suspeitos afirma não ter havido provas quanto ao envolvimento dos seus clientes, já que as drogas não foram encontradas em posse deles.

Publicidade

Vinicius Xingó, advogado destes quatro jovens, afirma que apenas três deles cursam Medicina.

O mesmo assegura o defensor de outros três jovens. Ele alega que nenhuma substância ilícita foi encontrada com o trio. Um outro suspeito detido já teria sido liberado no mesmo dia, pois teria sido preso não por tráfico, mas, sim, pela acusação de ter desacatado um agente. A informação foi dada por um irmão do acusado à imprensa local.

A Polícia Civil ainda está investigando as circunstâncias da ocorrência e afirma que dentre os materiais apreendidos no local estão três carros, um simulacro e 22 comprimidos de substância ilícita sintética. Além disso, estão em poder da polícia 9 celulares, 3 frascos do chamado ‘loló’, a quantia de R$ 2.621,00, uma bucha de raxixe, sete pirulitos, oito munições .32, seis munições .25 e ainda três frascos de um líquido identificado como ‘liquido do amor’.

#Crime #Casos de polícia