Quando a gente pensa em igreja, quase sempre vem a imagem de um local onde as pessoas todas são atendidas da mesma forma. No entanto, um #Crime que envolve o nome de uma grande instituição evangélica, está provocando a maior polêmica. Seguranças de uma igreja paulista, localizada na região da Avenida Cristóvão Colombo, decidiram agredir barbaramente um morador de rua. Toda a ação foi flagrada por câmeras de segurança do supermercado Zaffari.

As imagens são muito fortes e podem ser vistas ao final desta reportagem. De acordo com informações do site 'O Estado de São Paulo', os seguranças podem ser presos. A polícia, no entanto, diz que investiga o caso e deve chamar os funcionários da instituição, a Assembleia de Deus.

Publicidade
Publicidade

A igreja, ao saber das imagens comprometedoras, decidiu demitir os contratados, que trabalhavam em regime de terceirização.

O vídeo que está provocando polêmica na internet começa quando os seguranças chegam perto do mendigo. Ele está parado, descansando em frente ao estacionamento do mercado relatado no início dessa reportagem. Do nada, os homens começam a espancar o morador de rua. Eles usam chutes e cassetetes na ação. A vítima sequer tentou bater nos homens. Ela tenta apenas se proteger, mesmo assim, o grupo de seguranças não para de bater no homem.

Ajuda de funcionários de mercado que fez filmagem

Após apanhar muito, o morador de rua sai andando tremendo-se todo e parece estar sofrendo de muita dor, graças aos golpes que levou. Ele foi levado a um Pronto Socorro por funcionários do mercado.

Publicidade

O mendigo tem apenas vinte e nove anos e vive de catar material reciclado. O nome dele é Edson Luiz.

Veja baixo o vídeo que mostra o morador de rua sendo espancado pelos seguranças da igreja de São Paulo. Atenção, as imagens podem ser consideradas fortes por alguns leitores. Por isso, fica o alerta. Na sua opinião, os seguranças deveriam ser penalizados pelo ato contra o morador de rua? Não esqueça de deixar o seu comentário. Ele é sempre muito importante para todos nós.

#Investigação Criminal