A rebelião que se iniciou no sábado a tarde (14), e só terminou 14 horas depois, na manhã de domingo (15), já é considerada a mais violenta do Estado do Rio Grande do Norte, com 26 mortes, em que a grande maioria foi por decapitação.

Esse já é o 3º caso de motim no país, envolvendo dezenas de mortes só neste ano - no início de janeiro, ocorreram as sangrentas rebeliões nos estados de Roraima e #Amazonas. Segundo o governo do estado do Rio Grande do Norte, 2 detentos foram carbonizados e alguns corpos chegaram a ser esquartejados. O Secretário de Segurança Pública, Caio Bezerra, concedeu uma coletiva na noite de domingo e afirmou que houve reforços nas guaritas e ao redor do presídio para evitar fugas.

Publicidade
Publicidade

A partir da manhã da segunda-feira (16), haverá novas revistas na unidade para encontrar armas de fogo, armas brancas e outros produtos ou substâncias ilícitas no local. Segundo ele, no domingo, foram encontradas várias armas de fogo artesanais em alguns setores.

Líderes do crime

O Secretário de Justiça, Wallber Virgolino, afirmou que alguns dos líderes identificados que organizaram o motim estão isolados dentro da unidade e espera que ainda na segunda-feira, eles sejam transferidos para outras penitenciárias do próprio estado. A princípio, a intenção é separar as facções "PCC" e "Sindicato do Crime". O secretário disse ainda que considera o local atual, onde permanecem as duas facções, como "cenário de barbárie".

Houve ainda boatos de que haveriam mais corpos dentro de fossas do presídio.

Publicidade

Virgolino diz que não descarta a possibilidade, mas não acredita que o boato se confirme. Disse também que a #Rebelião no Estado do Rio Grande do Norte não tem relação confirmada com os sangrentos casos do Amazonas e Roraima. Segundo o Instituto de Técnico-Científico de Polícia (Itep), foi solicitado auxílio de legistas do estado do Ceará e Paraíba para trabalhar na identificação dos corpos. O início dos trabalhos de identificação dos corpos acontecem a partir desta manhã de segunda-feira. Até o momento, nenhum dos corpos havia sido identificado. #2017