Ao menos 55 integrantes do #Primeiro Comando da Capital (PCC) e estupradores presos no Complexo Penitenciário Anísio Jobim (Compaj), em Manaus, no Amazonas, foram mortos em uma rebelião que teve início no domingo (1º) e terminou na manhã desta segunda-feira (2).

Havia informações de que teriam morrido cerca de 150 detentos. Na sequência, divulgou-se o número de 60. Mas, segundo Pedro Florêncio, secretário da Administração Penitenciária do Estado, foram 55 mortes confirmadas pelo IML.

As mortes foram causadas por integrantes da #Família do Norte (FDN), grupo aliado ao Comando Vermelho (CV) e que domina o #tráfico de drogas na região norte do Brasil.

Publicidade
Publicidade

Alguns dos mortos foram degolados e/ou queimados.

Guerra do tráfico

As facções Comando Vermelho (CV) e Primeiro Comando da Capital (PCC) são os únicos grupos que atuam em todo o Brasil. Grupos criminosos como Família do Norte (FDN) e Amigos dos Amigos (ADA), por exemplo, limitam suas operações aos estados de origem ou a estados próximos.

Justamente essa nacionalização das duas maiores facções criminosas do Brasil colaborou para a onda de violência que tem acometido cadeias do norte e do nordeste brasileiro.

Desde que o PCC foi fundado, em 1993, a relação entre a facção paulista e a facção carioca, criada no final da década de 1970, era de paz. A trégua de mais de 20 anos chegou ao fim justamente por conta da FDN.

O PCC começou a fazer negócios no norte do país e a recrutar “mão-de-obra” local, só que isso desagradou à Família do Norte – liderada pelo traficante José Roberto Fernandes Barbosa, conhecido como Z, Doido, Perturbado, Pertuba e Messi –, que se posicionou contra, mas foi ignorada pelo Primeiro Comando da Capital.

Publicidade

A FDN controla a “Rota Solimões”, que abrange a tríplice fronteira entre Brasil, Colômbia e Peru. A facção exporta drogas dos países vizinhos e envia remessas à Europa, segundo a Polícia Federal. A presença do PCC e uma suposta perda de território – e lucros – incomodou o grupo criminoso do norte.

Entre junho e julho de 2015, três líderes do PCC foram mortos pela FDN em Manaus. Some isso à união entre CV e FDN e pronto: a guerra entre os dois maiores grupos criminosos do Brasil está feita.

Em outubro passado, 18 detentos foram mortos em presídios de Roraima e Rondônia. Eles eram integrantes do Comando Vermelho e da Família do Norte. As mortes foram executadas por integrantes do PCC.

Todo este cenário de disputa por território, poder e lucros mostra que o Brasil é hoje o que a Colômbia foi em décadas passadas, quando o país vizinho era dominado pelos cartéis de drogas.

O mais famoso destes cartéis era liderado pelo narcotraficante Pablo Escobar, que assassinou rivais, autoridades militares e participou da morte de três candidatos à presidência no país: Carlos Pizarro, Bernardo Jamilo e Luis Carlos Galán.