Na tarde desta última quarta-feira (04), Rodrigo Nomura Guerreiro, de 43 anos, foi preso após ameaçar a ex-mulher, uma juíza e uma promotora nas redes sociais. O homem que mora em Jaboticabal, São Paulo, declarou em sua página que repetiria a chacina ocorrida na virada de ano em Campinas. Segundo as investigações ele também estaria lutando pela guarda do filho, de 10 anos, e supostamente havia perdido o direito de visitá-lo. Diante das circunstâncias, ele disse nas redes sociais que faria igual ao ‘cara’ de Campinas, uma ameaça clara à ex-mulher, e ao filho pequeno. Em outra postagem ele citou os nomes da juíza e o da promotora responsáveis pelos trâmites de seu caso nos tribunais.

Publicidade
Publicidade

Em um dos textos absurdos, Rodrigo chega a dizer que iria invadir o Fórum da cidade e sair atirando em todo mundo. Segundo ele somente dessa maneira conseguiria matar um monte de pessoas de uma única vez, assim como fez o homem responsável pela chacina em Campinas. Diante de tantas ameaças e do perigo iminente de que realmente alguma ação pudesse ser feita por parte dele, a Polícia Civil de Jabuticabal foi chamada e conseguiu prender Rodrigo dentro da própria casa, no bairro Jardim São Marcos, quando o mesmo ainda escrevia as ameaças finais nas redes sociais. A ex-mulher do suspeito, também seria um dos alvos do mesmo, em um dos textos ele a culpa de ter viajado para o exterior levando o filho sem consultá-lo.

A história recente de Campinas, em que um homem, identificado como Sidnei Araújo, de 46 anos, invadiu a casa da ex-mulher no ano novo e matou ela, o filho, de 8 anos, e mais dez pessoas da casa chocou o país.

Publicidade

O ato de descontrole e covardia que ceifou a vida de tantas pessoas, tem suas raízes no machismo, na incapacidade do diálogo, e na intolerância. Por isso, diante de uma nova ameaça tão real e semelhante não se podia fazer outra coisa que não prender o suspeito de uma possível nova tragédia. Rodrigo permanecerá preso até que saia decisão judicial no qual está sendo indiciado por injúria, ameaça e coação que atrapalharam os trâmites do processo sobre a guarda do filho, por meio de violência e ameaças. Essa não seria a primeira vez que o homem utilizava das redes sociais para ameaçar a ex-mulher, e por isso já vinha sendo investigado pela Polícia Civil de Jaboticabal que acompanhava suas postagens na internet.

#Crime #Investigação Criminal