No fim do ano passado, um caso chamou a atenção de todo o país. Um homem, aparentemente embriagado, acabou sendo flagrado por uma câmera de celular batendo gravemente em uma mulher. Tudo aconteceu na cidade de Três Corações, em Minas Gerais. As cenas rodaram a internet, já que a mulher, uma guarda feminina, foi espancada com grande violência, sem a menor chance de reação. O homem, identificado como Luiz Felipe Neder Silva, um empresário rico da região, mais tarde, descobriu-se que era casado com a responsável pela Delegacia da Mulher da região. Era ela quem estava com ele no veículo, quando tudo aconteceu. Mesmo sendo uma pessoa que defende outras mulheres, a delegada, de nome Ana, foi incapaz de se defender do próprio marido.

Já a guarda feminina, Nayara Ferreira Rezende, contou que não se machucou, mas que não conseguiu revidar durante o ato, pois foi agredida, inicialmente, quando estava de costas.

Publicidade
Publicidade

Ela prestou uma queixa na época do incidente. Aos vinte e três anos, a mulher colocou o homem, graças à sua queixa na cadeia. Luiz foi então levado para uma penitenciária da região. Ele, no entanto, tentou sair do local. Segundo informações da mídia mineira, o empresário tentou responder tudo em liberdade. Sua mulher, no entanto, não teria o ajudado nessa empreitada. Fontes garantem que a delegada levou o episódio como a última gota e não colaborará na tentativa de retirada de seu esposo da cadeia. O casal, no entanto, oficialmente, ainda não está divorciado. Eles são marido e mulher no papel.

Apesar da tentativa, Luiz recebeu um não da justiça local. Ele poderia não esperar tamanha reviravolta, mas seu gesto de agressão o fará ficar na prisão até que o julgamento aconteça. No Brasil, não existe um tempo específico para que isso aconteça.

Publicidade

No entanto, é comum que eles demorem bastante. A tentativa de Luiz em sair da prisão revoltou muita gente. "Este homem bate na mulher e ainda quer ficar solto", disse um internauta.

Na sua opinião, o que pode ter acontecido para ele tentar mudar tudo? #Crime #Investigação Criminal