Mais um capítulo ajuda a entender a tragédia que abateu a família vítima da chacina de Campinas, em São Paulo.

Foram divulgadas nesta segunda-feira (2), cartas em que o técnico de laboratório Sidnei Ramis de Araújo relata a intenção de matar vários familiares da mãe de seu filho. Ele concretizou seus planos disparando dezenas de tiros contra a ex-mulher, o filho de 8 anos, e outras 10 pessoas, que estavam reunidas em uma festa de réveillon. Depois, ele se matou.

Um dos textos do assassino e suicida, de 46 anos, é para o filho do casal. Há também cartas para a namorada e para amigos, que foram remetidas antes da chacina.

Publicidade
Publicidade

Em uma das mensagens ele relata não ter medo de ser preso e diz que vai prejudicar o máximo de pessoas possível da família, não apenas o filho e a si próprio.

O assassino diz ainda que morrerá pelo direito de ser pai e cita diversos outros casos em que pessoas morrem no Brasil, citando injustiças sociais e violência.

Chama a ex-mulher de vadia e pede orações apenas para seu filho. Diz que a ex-esposa não pode ser chamada de mãe. Alega não ser machista e ressalta que ama as mulheres de bom caráter, como a Kátia, por quem se diz apaixonado.

Critica a Lei Maria da Penha, chamada por ele de “lei vadia da penha”. Diz que ama o filho e que vai se vingar do mal que ela (Isamara Filier) fez aos dois, principalmente ao menor. E confessa que a ex vai morrer por suas mãos.

Avisa o filho que esperou momento certo para a vingança, escrevendo que queria pegar o maior número possível de “vadias” da família juntas.

Publicidade

Conta até mesmo como conseguiu a arma utilizada no #Crime.

O Caso

No total, doze pessoas foram assassinadas pelo técnico de laboratório, durante uma festa de réveillon, entre a noite deste sábado (31) e a madrugada de domingo (1º). Sidnei invadiu a casa onde familiares da ex-esposa celebravam a passagem de ano. Ele efetuou vários disparos antes de se matar.

O filho do casal, João Vitor Filier de Araújo, de apenas 8 anos, também foi executado.

Vizinhos ouviram os disparos, mas pensaram que eram fogos de artifício. Três pessoas foram baleadas e sobreviveram. Outros dois adolescentes se salvaram porque se trancaram no banheiro.

#Investigação Criminal