Um indivíduo foi preso pela polícia acusado de ter violentado sexualmente uma menina na terça-feira (10), na cidade de Caruaru, no Pernambuco. O homem de 35 anos, que não teve o seu nome revelado pela polícia, é o principal suspeito ter abusado uma criança de nove anos, que é prima da sua esposa.

Segundo informações repassadas pela delegada Jimena Gouveia, um vídeo foi encontrado por um adolescente de 13 anos, que é irmão da vítima no aparelho de telefone celular do acusado. Ainda, de acordo com Gouveia, o jovem estava mexendo no celular do acusado, ao ver o vídeo, imediatamente ele enviou o mesmo para a sua mãe. Após ver o vídeo, a mãe da vítima foi até a delegacia da cidade, onde registrou um Boletim de Ocorrência contra o acusado, relatando o que tinha acontecido, em seguida, entregou o material para a polícia.

Publicidade
Publicidade

De acordo com a delegada Gouveia, nas imagens gravadas pelo indivíduo não aparece o seu rosto, mas dá para ver com clareza a vítima sendo abusada sexualmente pelo criminoso. Segundo ela, no vídeo é possível ver a menina tendo penetração em suas partes íntimas. E durante o estupro é possível ver duas crianças brincando no quintal, entre elas a própria filha do sujeito. Ainda no vídeo, o homem ameaça a vítima dizendo que, ele ia violentar sexualmente a sua filha de oito anos, 'que é prima mais nova da vítima', caso ela contasse o que tinha acontecido para alguém.

Após ver as imagens explícitas, uma denúncia foi feita contro o criminoso, em seguida uma equipe da polícia se deslocaram até a residência do acusado, onde o mesmo foi preso encaminhado para a delegacia da cidade. Já na delegacia ele prestou o seu depoimento.

Publicidade

Ao ser questionado sobre o caso, ele disse que não era ele na gravação. Após o seu depoimento, ele foi encaminhado para uma penitenciária de Pernambuco, onde ficará à disposição da Justiça para tomar todas as medidas dentro da lei.

Um inquérito foi aberto pela Polícia Civil da cidade e o caso está sendo investigado. Caso o sujeito seja condenado, ele pode pegar até 15 anos de cadeia. #Crime #Investigação Criminal #Casos de polícia