O rapaz que tentou matar o fundador e líder da Igreja Mundial do Poder de Deus, Valdemiro Santiago, se chama Jonathan Gomes Higino e tem apenas 20 anos. Ele trabalha como ajudante geral e foi detido pelos seguranças da igreja, após deflagrar três golpes com uma enorme faca no pescoço do pastor. Após ser conduzido ao 8º Distrito Policial do Brás, Jonathan explicou o motivo de tentar tirar a vida do pastor.

Em seu depoimento, Jonathan contou ao delegado que era frequentador da Igreja Mundial do Poder de Deus, só que enquanto participava de um culto em julho de 2015, Valdemiro Santiago começou a provocá-lo e, em determinado momento, teria dito: "Vamos crucificar ele".

Publicidade
Publicidade

O criminoso contou que conseguiu a enorme faca no quintal de uma casa, há duas semanas, e não teve nenhuma dificuldade em se aproximar do pastor que estava fora do palco onde é feita a pregação, bem próximo a vários fiéis.

O líder da igreja teve que ser submetido a uma cirurgia, levando 20 pontos, mas não corre mais risco de morrer. Inclusive, Valdemiro já divulgou um vídeo onde aparece no quarto do hospital, ao lado da esposa, dizendo para os fiéis ficarem tranquilos. Ele afirmou ainda que a pessoa que tentou matá-lo estava perdoada.

No vídeo abaixo você vê o momento em que o culto estava sendo transmitido para todo o Brasil e o #Atentado acontece. O pastor que estava fazendo a pregação e testemunhou a facada ficou horrorizado: "Que é isso? Meu Deus!"

O pastor pediu para a banda tocar algumas músicas enquanto a situação era contornada e depois contou aos fiéis o que tinha acabado de acontecer.

Publicidade

Muita gente chegou a chorar.

O ataque aconteceu na manhã deste domingo (08), por volta das 8 horas. Jonathan entrou na fila para receber as bênçãos de Valdemiro Santiago e quando chegou sua vez, pegou uma faca de 35 centímetros e acertou três golpes no pescoço do pastor.

O missionário Ricardo Arruda chegou a divulgar nas redes sociais uma foto que mostra o momento em que Valdemiro Santiago estava levando os 20 pontos no pescoço. #Violência #Casos de polícia