Os #agentes da Penitenciária de Presidente Bernardes, Estado de São Paulo, desconfiaram da atitude de dois presos. Eles estavam passando mal e os guardas resolveram levá-los ao hospital. O raio-x da unidade flagrou vários objetos que eles engoliram. A lista surpreendeu os agentes: foram sete microcelulares, carregadores de celular, fones de ouvido e uma substância que aparenta ser maconha. Os objetos estavam em seus estômagos e eles não aguentavam de dor.

Eles foram levados para o Hospital Regional de Presidente Prudente e iriam passar por uma cirurgia para a retirada dos objetos. Ao serem avaliados, o médico responsável do plantão entendeu que não era caso de fazer cirurgia e prescreveu para eles um laxante.

Publicidade
Publicidade

Segundo a Secretaria de Administração Penitenciária de São Paulo (SAP), um dos presos eliminou três microcelulares, quatro fones de ouvido e pedaços de fio. O outro detento tirou de seu corpo quatro microcelulares, um fone de ouvido e algumas gramas de uma substância parecida com maconha.

Agora eles responderão a um processo disciplinar por essa atitude inusitada.

PCC

Alguns integrantes do Primeiro Comando da Capital (PCC) estão encarcerados nesse #Presídio de Presidente Bernardes. Um dos líderes da facção, Marco Willians Herbas Camacho, conhecido como Marcola, se encontra também nessa penitenciária.

No presídio existe uma rigidez maior com as lideranças dessa facção. Eles ficam isolados em celas individuais durante 22 horas por dia. Eles têm duas horas de banho de sol e recebem duas visitas por semana, com duração de duas horas.

Publicidade

Plano de fuga

Em 2013, Marcola bolou um plano para fugir da Penitenciária Presidente Venceslau, em São Paulo. Até um helicóptero foi colocado nos planos, mas a polícia conseguiu descobrir antes e atrapalhou a fuga dele.

Outro traficante que também traçou um roteiro de fuga é o chefe do Comando Vermelho, Fernandinho Beira-Mar. Ao descobrir o plano, a polícia intensificou a segurança no presídio federal de Catanduvas e chamou a Aeronáutica para dar apoio, até que a situação se estabelecesse. #Prisão