O conhecimento sobre o uso da maconha vem mudando dramaticamente na última década. Foram descobertos dois tipos de receptores que foram nomeados de CB1 e CB2. Eles se localizam principalmente no cérebro e nas células do sistema imune. Dentro do cérebro, esses receptores sofrem alterações pelo uso da maconha. É onde acontecem as mudanças de humor e as alterações de coordenação motora. Seus efeitos sobre o sistema imune ainda não são bem conhecidos.

Estudos realizados em animais indicaram que a maconha pode produzir um efeito analgésico importante. Dessa maneira, os pacientes podem ser beneficiados com o uso da droga.

Para entender o efeito da #Cannabis nos #Animais, precisamos de algumas informações científicas.

Publicidade
Publicidade

A planta contém dezenas de canabinoides, entre eles o THC (tetraidrocanabinol) e o CBC (canabidiol).

O THC tem as propriedades psicoativas que fazem com que as pessoas fiquem loucas, mas que são tóxicas para animais. Por conta disso, os seus níveis de THC são desprezíveis na composição dos medicamentos. Por outro lado, o CBC oferece benefícios sem efeitos os colaterais.

Confira algumas histórias reais

Little Kitty, uma gata com 12 anos de idade e com artrite avançada, passava seus dias escondida. Lisa Mastramico sua dona tentou várias alternativas para amenizar as dores de sua gatinha de estimação. Construiu uma cama adaptada com cobertores fofinhos para poupar o sofrimento de Kitty, Porém, foram todos ineficazes. Angustiada, procurou ajuda e foi ao encontro de uma indústria de cannabis.

Publicidade

No início, ela não aceitou a ideia.

Lisa declarou: "Não é meu papel deixar a minha gata louca".

Mas Lisa não teve escolha diante do sofrimento de Little Kitty. Chegou a hora de tentar. Lisa conseguiu um cartão de maconha medicinal e comprou óleos comestíveis, ambos indicados para animais. Iniciou um novo tratamento com derivados de cannabis e conforme o tempo ia passando, Little Kitty já não se escondia mais. Voltou a tomar banho de sol, brincar, correr, voltou a ser como era antes.

Lisa confessa que em todas as vezes que sua gata tomou o medicamento, nunca pareceu louca. Sempre agiu de forma normal.

Outras pessoas apaixonadas pelos seus bichos de estimação já recorreram aos produtos que contém cannabis para aliviar convulsões, inflamações, ansiedade e dor. E tiveram bons resultados.

Um caso parecido é o da história de Cate Norton, dona de dois rottweilers. Seus pets sofriam de convulsões e ansiedade. Depois de oito meses de tratamento “houve uma grande redução na gravidade das convulsões”, afirma Cate.