Uma mulher foi presa pela polícia na terça-feira (03), na cidade de Salto do Lontra, no Paraná (PR). A mulher de 30 anos, confessou para a polícia que teria matado dois filhos recém-nascidos. No entanto, um dois crimes aconteceu no ano de 2013 e o outro no dia 31 de dezembro de 2016.

Segundo informações repassadas pela polícia, os crimes foram descobertos após o conselho tutelar da cidade receber várias denúncias anônimas e em seguida relatar os fatos para a polícia. Ainda de acordo com a investigação, a acusada escondeu para os conselheiros, a última gravidez, inclusive também para os próprios familiares. Desconfiados da versão dada pela acusada, os conselheiros foram ao hospital de Santa Isabel do Oeste, na mesma região, e ficaram sabendo que a suspeita tinha dado à luz um bebê do sexo masculino de 3,3 kg.

Publicidade
Publicidade

De imediato, o caso foi denunciado para a polícia da cidade e a mulher foi presa e encaminhada para a delegacia para prestar o seu depoimento. Ao ser questionada sobre a suspeita, acabou confessando o #Crime.

Conforme consta em seu depoimento, ela disse para a polícia que, logo após receber alta hospitalar, matou o filho asfixiado e em seguida escondeu o corpo, até que pudesse se livrar do mesmo, jogando-o em uma fossa. Ainda de acordo com a criminosa, ela confessou para a polícia que tinha assassinado outro filho recém-nascido, no mês de setembro de 2013.

Bombeiros e policias fizeram escavações em duas fossas na residência onde morava a criminosa, mas não encontraram o corpo da vítima. O prontuário do parto da unidade médica confirmou o nascimento de uma menina, filha da acusada. Conforme relata o delegado responsável pelo caso, pelo simples fato da suspeita ter escondido a gestação, tudo indica que ela já tinha a intenção de, em algum momento, se livrar das crianças.

Ainda conforme explicou o delegado, ela alegou que cometeu os assassinatos, pois já tinha cinco filhos para cuidar e não queria ter mais nenhum.

Publicidade

A polícia da cidade abriu um inquérito e o caso está sendo investigado. #Investigação Criminal #Casos de polícia