Pelo menos 33 detentos morreram na madrugada desta sexta-feira (06), na #penitenciária Agrícola de Monte Cristo, a maior do estado de #Roraima. A informação é da Secretaria de Justiça e Cidadania (Sejuc). A cadeia fica localizada na zona rural de Boa Vista.

De acordo com o governo estadual de Roraima, as mortes ocorreram por volta de 2h30 (4h30 no horário de Brasília). A assessoria disse ainda que não houve fuga de detentos nem uma rebelião. Segundo eles, o que levou à morte de presos foi uma briga entre traficantes rivais, ou seja, desentendimento entre facções Comando Vermelho e Primeiro Comando.

No ano passado, dez pessoas morreram no mesmo #Presídio, após brigas entre facções rivais.

Publicidade
Publicidade

Alguns detentos foram queimados e outros decapitados. Oito pessoas também morreram em uma outra penitenciária do estado, no município de Porto Velho.

Pela manhã, agentes do Batalhão de Operações Especiais (BOPE) e do Grupo de Intervenção Tática (GIT) estiveram no Monte Cristo para realocar os internos e conferir a situação na unidade, que, segundo assessoria do Sejuc, já está sob controle. Agentes da Polícia Militar também estão no local.

Ainda, de acordo com a Secretaria Estadual de Justiça e Cidadania (Sejuc), haviam 1.475 pessoas presas no presídio. Mas, a capacidade é 750. Desse número, 898 era presos provisórios, ou seja, aguardavam julgamento. 458 estavam em regime fechado ou semiaberto.

O presidente da Ordem dos Advogados (OAB-RO), Rodolpho César Martins, disse que após um motim ocorrido em 2016, medidas foram tomadas.

Publicidade

Entre elas, a transferência de presos do Comando Vermelho para uma Cadeia Pública. Mas, segundo ele, "os chefes do grupo permaneceram na unidade".

Com as mortes desta sexta-feira (06) em Roraima, a matança foi considerada a terceira maior em presídios do país, ficando atrás do episódio do Carandiru, que ocorreu em 1992 e deixou 111 pessoas mortas e do massacre ocorrido nesta semana em Manaus, no estado do Amazonas, que deixou 56 detentos mortos no Complexo Penitenciário Anísio Jobim.

Na última terça-feira (03), o estado do Amazonas emitiu um alerta para Roraima, visando avisar sobre possíveis confrontos entre detentos nas unidades do estado.