Luiz Felipe Neder Silva, o homem que foi flagrado em vídeo batendo em uma segurança feminina em plena rua, na cidade de Três Corações, Minas Gerais, vai continuar atrás das grades enquanto responde o processo.

Ele também é acusado de agredir a própria esposa e ainda um homem que tentou ajudá-la. Seus advogados tentaram obter uma liminar para libertá-lo enquanto aguarda julgamento, mas o Superior Tribunal de Justiça negou o pedido.

O comerciante está preso desde dezembro do ano passado, quando deu um soco em Edvânia Nayara Ferreira Rezende, de 23 anos, que exercia a função de segurança de um clube. Populares filmaram a agressão, que causou enorme repercussão na época.

Publicidade
Publicidade

Edvânia tentava ajudar a esposa do agressor, que também estava apanhando dele. O #Crime aconteceu em 17 de dezembro. Naquela data o casal tinha acabado de sair de uma festa e estava discutindo em frente ao clube. A esposa do comerciante, Ana Paula Kich Gontijo, de 44 anos de idade, inclusive é delegada de polícia na cidade.

Silva tem 34 anos e foi preso em flagrante. Depois foi indiciado por lesão corporal gravíssima, ameaça e lesão corporal leve. Conforme o inquérito policial, o agressor quebrou dois dentes de um frequentador do clube e ameaçou quem se aproximasse dele com um canivete.

O STJ resolveu negar a liminar por discordar da alegação da defesa, que assegurou que o delito foi de menor potencial ofensivo e que o juiz que decretou a prisão teve uma interpretação errada. Outro argumento é que o comerciante é réu primário e tem bom histórico.

Publicidade

Nada disso foi suficiente para convencer a ministra Laurita Vaz, que asseverou que o STJ não poderia se sobrepor à decisão anterior e conceder liminar a um pedido de habeas corpus, já que o mérito da postulação de habeas corpus em si sequer foi avaliado.

Laurita Vaz também considerou que a negativa de liminar por parte do Tribunal de Justiça de Minas Gerais foi bem fundamentada, enumerando que o caso envolveu uma soma de delitos cometidos, que juntos integram atentados à ordem pública.

#Investigação Criminal