Um menino de 11 anos vivia um grande pesadelo todos os dias. Ele era espancado e torturado pelo próprio irmão, de 28 anos. Eles moram em Goiânia e a #tortura já durava há 1 ano. Segundo relatos do próprio menino, seu irmão e a mulher dele batiam nele e não tinham um pingo de dó. O garoto está cheio de hematomas nas pernas, costas, no corpo todo. O irmão dele alegava que os tapas seriam apenas para educar o menino, mas a polícia apurou o caso e viu que a tortura ultrapassava um simples tapa.

Após a morte do pai, o garoto foi morar com o irmão e a sua cunhada. De acordo com a criança, a cunhada amarrava suas mãos e pernas de uma forma que se ele se mexesse poderia se enforcar.

Publicidade
Publicidade

"Eles colocavam fitas, cordas, panos em minha boca e me davam chute", disse a criança.

A vítima não podia nem comer. Para matar sua fome, ele cozinhava escondido do casal.

Vizinha

Graças a uma vizinha, a polícia chegou a descobrir a tortura. Segundo a vizinha, que não quis se identificar, ela viu a criança no portão toda machucada e chamou a Polícia Militar. "Ele chorava muito de dor e estava assustado", declarou a vizinha.

O soldado Danilo Xavier chegou a se emocionar ao entrar na casa da criança e ver o estado dela. "Eu nunca vi uma situação dessa na minha vida", disse ele. Quando a criança viu o soldado começou a chorar desesperadamente. O policial parecia um anjo que apareceu na vida do garoto.

A PM levou o motorista, irmão da criança, para Central de Flagrantes e o caso foi registrado.

Publicidade

O jovem disse que era a primeira vez que ele tinha batido no irmão. Segundo o motorista, ele bateu no irmão devido não achar um perfume e não ter a colaboração da criança. "Aí eu fique nervoso, peguei a corda e comecei a bater nele, mas como ele escapava, a corda batia em lugares inadequados".

Agressões

O delegado Jerônimo Rodrigues disse que nada justifica o que esse covarde fez. Ele está preso em flagrante de tortura e agora a polícia está na captura da cunhada do menino. Pelas investigações, ela poderá ser presa por tortura também, já que ajudava o marido a bater na criança.

O Conselho Tutelar buscará contato com a mãe da criança, que estaria no maranhão. Se não encontrar a mãe do garoto, ele será levado para a fila de adoção. #´menino #Casos de polícia