A criminalidade está cada vez mais alta em todo o Brasil. Infelizmente, muitos dos jovens e crianças, mesmo sendo tão novos, já tem um currículo extenso no mundo irregular. Neste domingo, 29, por exemplo, como mostra uma reportagem do portal de notícias G1, dois adolescentes quase morreram ao tentarem fumar uma droga. O menino e a menina, que seriam irmãos, tem treze e dezessete anos. Ele aproveitaram que era madrugada e uma praça da cidade de Maringá, no Norte do estado do Paraná, estava vazia, para fazerem o uso da droga. Ambos estavam tentando fumar um narquilé, quando ele explodiu. Os dois tiveram grande parte do corpo incendiado e precisaram ser levados para o hospital.

Além dos jovens azarados, na praça do Paraná também estavam amigos deles fumando o aparelho.

Publicidade
Publicidade

No entanto, a menina dos irmãos, de apenas treze anos, colocou álcool no carvão utilizado para a droga ter combustão. Foi aí que houve uma explosão. A menina, por exemplo, teve parte do corpo bastante queimada, especialmente no rosto. Ao todo, ela teve 30% de seu corpo com queimaduras, enquanto o seu irmão teve 20% do corpo queimado. Após o incidente, eles foram levados para o Hospital Universitário de Maringá, onde um cirurgião plástico avaliará se eles necessitam ou não serem levados para o hospital de queimados da cidade de Londrina, que fica próxima à Maringá.

O galão usado para fumar a droga foi levado pelos policiais. Os demais menores, assim que viram a guarda municipal chegar, saíram correndo do local. Não é a primeira vez que esse tipo de evento acontece na região. Em 2013, por exemplo, câmeras de segurança de um posto de gasolina flagraram o exato momento em que outra explosão surpreendeu um menor, morador de rua.

Publicidade

Nessa ocasião, ele teve 60% do corpo queimado. Não se sabe o que aconteceu com este jovem após o evento trágico em sua vida.

Na sua opinião, que tipo de estratégia as autoridades deveriam utilizar para tentar reverter o vício em drogas com menores? Não esqueça de deixar seu comentário. Ele é sempre importante. #Crime