Um acidente doméstico inusitado ganhou as manchetes dos jornais nesta semana e acabou deixando ferimentos em Janaina da Silva, de 26 anos. Tudo começou quando ela resolver fazer algumas selfies junto com seu animal de estimação, um cão da raça pit bull, no quintal de sua residência, em Machado, no Sul de Minas Gerais.

Contrariado, o animal acabou mordendo a dona no braço, e ela, desesperada, pediu por socorro. O pai da vítima, que estava em casa, resolveu usar um bloco de concreto para acertar a cabeça do #Cachorro e salvar a filha, mas acabou acertando a cabeça de Janaina. Para afastar o cão, o homem usou um pedaço de madeira.

Publicidade
Publicidade

Desmaiada, a vítima foi conduzida a um hospital da cidade com ferimentos no braço e na cabeça. Após ser medicada, ela passa. O pit bull, que não tem histórico agressivo, está com a família há cinco anos. Depois do susto, a jovem foi liberada e voltou para casa.

Janaina da Silva afirma que podia ter morrido

A jovem atacada afirmou, em entrevista à uma emissora de televisão, que temeu pelo pior, já que se estivesse sozinha em casa, acredita que não conseguiria se livrar do ataque do cão e poderia ter morrido. Janaina agradeceu a ajuda do pai, que mesmo acertando sua cabeça com o bloco de concreto, acabou salvando a vida. A jovem levou 20 pontos na cabeça e sofreu ferimentos nas costas e no braço esquerdo.

Ela chegou a postar algumas fotos segundos antes do ataque. Nelas é possível perceber que o cão parece incomodado com a ação da dona, que o segurava pelo pescoço para ter o melhor ângulo para a selfie.

Publicidade

Logo em seguida, aconteceu o ataque.

Rapidamente, a notícia repercutiu nas redes sociais, com muitos usuários se solidarizando com a jovem e outros atacando o cão e sua raça. O senso comum é que fotos com pit bull são muito arriscadas, e que as pessoas devem ter cuidado com essa raça de cão, de temperamento instável e que já protagonizou diversos acidentes, alguns deles, inclusive, fatais. O novo caso reacendeu a polêmica sobre a raça. Veja o vídeo da reportagem no Balanço Geral:

#2017