Os familiares dos presos no Complexo Penitenciário Anísio Jobim (Compaj), em Manaus, decidiram "entregar" agentes penitenciários que cobravam propinas dos parentes dos presos. Segundo as famílias, as armas entravam no presídio após pagamento de suborno aos agentes. De acordo com algumas mulheres dos detentos, tinha funcionário que cobrava R$ 1 mil para que pudesse ocorrer a entrada de armas, drogas e celulares na #Prisão.

A empresa responsável pelas revistas, no Complexo, é a Umanizzare. Ela é terceirizada e não quis comentar as denúncias.

Uma das mulheres fez uma declaração surpreendente. Ela disse que estava dentro da cadeia quando os tiros começaram, no domingo (01).

Publicidade
Publicidade

"Eu estava na fila para ir embora e de repente ouvi os tiros. Meu marido foi um dos decapitados na ação dos bandidos", revelou a mulher. Ainda segundo suas declarações, ela viu um vídeo onde a cabeça do marido dela era chutada por vários presos. "Não consigo mais dormir depois de ter visto isso", disse ela, que prefere não ser identificada.

Suborno

Essa mulher foi uma das que denunciou o suposto suborno que é cobrado pelos agentes. O marido dela foi um dos beneficiados com uma arma. Para entrar com drogas e celulares, o valor que os agentes cobram é R$ 200 e para a entrada de armas o valor sobe para R$ 1 mil. De acordo com a parente de um dos mortos, o diretor do presídio sabe de tudo isso e apoia essa corrupção na cadeia.

A mãe de um dos detentos, Gecir de Souza, 56 anos, afirma que existem muitas facilitações nos #Presídios.

Publicidade

Ela disse que essa matança teria sido evitada se não levassem armas e celulares para dentro das grades. "Sei de muita gente que pagava para poder entrar com objetos roubados na rua", criticou a dona de casa.

Posicionamento da Seap

A Secretaria de Administração Penitenciária (Seap) comentou que encaminha sempre à Polícia Civil todas as apreensões de objetos e outros materiais encontrados nas revistas.

Sobre os subornos, a Secretaria disse não ter conhecimento, mas irá investigar o caso com a empresa terceirizada que cuida dessa parte.

Familiares de presos denunciam pagamento de suborno aos agentes e diretor de presídio #AgentesPenitenciários