A Polícia Civil do Rio de Janeiro está investigando as imagens de traficantes armados ostensivamente em um baile realizado no Morro do Turano, Zona Norte do Rio. Os investigadores já sabem que no evento onde o armamento pesado foi exibido por mais de 10 criminosos, o artista Nego do Borel esteve presente e ainda fez uma apresentação para os convidados.

Entre as armas que podem ser vistas no vídeo que circula na internet há pistolas e até fuzis. O evento ocorreu em um domingo, tendo início às 16h e terminando na manhã do dia seguinte. Empresários do cantor Nego do Borel alegam que ele ficou pouco tempo no recinto e que não viu pessoas armadas.

Publicidade
Publicidade

Em um comunicado oficial a assessoria de imprensa do artista disse que ele apenas deu uma espécie de “canja”, cantando por cerca de 15 minutos na comunidade, que fica em Rio Comprido.

O funkeiro, cujo nome real é Lenon Maycon, tem 25 anos e fez sucesso no quadro Dança dos Famosos, do Programa do Faustão e até atuou na novela adolescente Malhação.

De acordo com a Delegacia de Combate às Drogas (DCOD), os homens que aparecem segurando as pistolas e fuzis já foram identificados e seguem sendo procurados. Os bandidos podem ser ligados à comunidades vizinhas, sob o domínico da mesma organização criminosa. Pelo menos a comunidade do Fallet e do Fogueteiro, citadas no vídeo, teriam enviado representantes naquela noite ao Turano.

Também é possível perceber o orgulho que os meliantes têm de pertencer à facção, já que eles chegam a fazer gestos com as mãos, em referência às iniciais do nome da organização em que atuam.

Publicidade

Vale lembrar que o Turano tem uma Unidade de Polícia Pacificadora (UPP) há seis anos. As comunidades vizinhas citadas na festa também contam com a mesma estrutura de policiamento preventiva.

Por meio de comunicado oficial, o comando da UPP do Morro do Turano ressaltou que está trabalhando em conjunto com a Polícia Civil do Rio de Janeiro no sentido de para a chegar até os suspeitos que aparecem no vídeo e prendê-los o mais rápido possível.

#Investigação Criminal