Na manhã desta terça-feira (24), o jovem Rodolpho Carlos da Silva, que matou um agente de trânsito no último fim de semana, prestou depoimento na Central de Polícia, no bairro do Geisel, em João Pessoa, Paraíba. O crime aconteceu na última sexta (20), quando o estudante teria ultrapassado as barreiras de uma blitz da Lei Seca e atropelado Diogo Nascimento de Souza, de 34 anos. O caso ficou ainda mais controverso depois que o jovem que é herdeiro de uma das famílias mais abastadas de João Pessoa, foi liberado da prisão menos de 12h após ser preso pelo #Crime. Segundo os investigadores, ele permaneceu calado durante todo o tempo em que foi interrogado hoje na delegacia.

Publicidade
Publicidade

Os policiais disseram que Rodolpho será chamado outras vezes para que o crime seja solucionado. Ao sair da Central de Polícia o jovem foi xingado pela população que se juntou na porta do local e por funcionários e outros agentes de trânsito que estão revoltados com a morte do colega. Tudo aconteceu por volta de 3h da manhã de sábado, e algumas imagens gravadas pelas câmeras de segurança de edifícios do local flagraram o momento em que o estudante passa em alta velocidade por uma rua no bairro Bessa. Ele dirigia um Porshe, placa PXB-0909, que está no nome de seu pai.

O agente de trânsito ainda foi socorrido e levado para o Hospital de Emergências e Trauma Senador Humberto, mas infelizmente morreu no domingo (22). Devido ao atropelamento ele tinha lesões graves do tórax e traumatismos extensos no crânio.

Publicidade

O estudante teve um mandado de prisão expedido ainda no sábado (21), mas poucas horas depois teve o pedido revogado por um desembargador amigo da família. O caso causou revolta aos trabalhadores do Detran que pedem justiça para o amigo. O jovem é de uma das famílias mais ricas de João Pessoa, sendo herdeiro do grupo São Braz do setor alimentício, o maior do estado, e da TV local filiada à rede Globo. O avô do jovem é o empresário José Carlos da Silva Júnior que já foi vice-governador da Paraíba e senador. Para o delegado responsável pelo caso Rodolpho teve a intenção de matar o agente quando passou em alta velocidade em sua direção, e provavelmente será imputado pelo crime de homicídio doloso qualificado, diante de tantas provas contundentes.

#Investigação Criminal