Na manhã deste domingo, 8, acontece uma nova rebelião em um presídio de Manaus, no Amazonas. Pelo menos quatro pessoas foram mortas na Cadeia Pública Desembargador Raimundo Vidal Pessoa. Foi para lá que foram levados os presidiários do primeiro confronto, no início da semana, no qual 56 pessoas foram assassinadas. Somadas as rebeliões na semana, já são pelo menos 93 assassinatos em todo o país. Além de Manaus, outro estado da região Norte tem sua população apreensiva. Roraima teve 33 mortos na segunda grande rebelião da semana, mas não é a única região que vive o medo. De acordo com informações do site 'Rondônia Ao Vivo', presos da capital do Acre, Rio Branco, gravaram vídeos em que ameaçam o povo brasileiro.

Um dos vídeos, que pode ser visto ao final dessa reportagem, mostra um homem encapuzado com uma camisa e dizendo que o "banho de sangue" continuaria nas carceragens, mas que isso faria com que os conflitos também saíssem da cadeia.

Publicidade
Publicidade

Ele diz que ele e seu grupo invadiriam os prédios e casas, levando pânico para os moradores. As ameaças são feitas à cidade de Manaus, a primeira a registrar a grande rebelião do ano. Foi lá que presos foram decapitados e tiveram até o coração arrancado com as mãos. O governador local disse que indenizaria as famílias dos presidiários por conta das mortes, o que gerou muita indignação da população.

Políticos importantes também são citados no vídeo, entre eles o presidente da ALEAC (Assembleia Legislativa do estado do Acre), Nei Amorim, do Partido dos Trabalhadores (PT). Ele é acusado de chefiar uma das facções da região, o Bonde dos 13. Além dessa, em Rio Branco, outras duas facções disputam espaço, o Comando Vermelho e o Primeiro Comando da Capital, o PCC.

Na sua opinião, o que pode ser feito para evitar que os presos realmente cumpram sua promessa e aterrorizem a população? Comente.

Veja abaixo o vídeo que mostra as ameaças de um suposto preso, na qual ele diz que os presídios vão acabar e que os bandidos invadirão as casas e os prédios do país.

Publicidade

#Crime #Investigação Criminal