Uma passageira do metrô de São Paulo flagrou um tarado em ação e resolveu usar o próprio celular para registrar a cena e denunciá-lo nas redes sociais.

O vídeo tem o objetivo de servir como um alerta à sociedade para o perigo que as mulheres passam diariamente nos meios de transportes coletivos das grandes cidades.

Pelas cenas é possível ver que o sujeito se excita olhando para uma passageira próxima. Segundo uma das postagens divulgadas no Facebook, a menina que serve como objeto de desejo seria uma adolescente e estava desacompanhada.

Vendo a ousadia do tarado, a passageira gravou por mais de um minuto a ação do pervertido.

Publicidade
Publicidade

Fez questão de mostrar o rosto dele, para que seja reconhecido e punido por atentado ao pudor.

Até o momento, não há informações se o homem foi identificado. Pelas cenas é possível ver o tarado com a mão direita no bolso da calça jeans fazendo movimentos típicos de uma masturbação. Ele está com um fone de ouvido ligado ao celular e não se intimida nem um pouco pelo fato de estar num local público, cercado de dezenas de pessoas posicionadas a menos de um metro de distância dele.

Ao contrário do que possa parecer, esse tipo de situação não é incomum nos trens, metrôs e ônibus. Em maio de 2015, até uma repórter foi vítima desse tipo de situação. A jornalista Caroline Apple, do portal R7, contou a vários veículos de imprensa que um homem posicionado atrás dela numa das composições do metrô de São Paulo ejaculou em sua calça.

Publicidade

O caso aconteceu na linha 3 – vermelha, entre as estações Brás e Bresser-Mooca, mas ela só percebeu o que aconteceu quando desceu na estação.

Ao sair da composição, notou que havia um homem ofegante perto dela. Mas continuou andando e, ao acessar a escada rolante, sentiu a calça molhada. Quando colocou a mão para ver o que era, entendeu o que tinha acontecido. Ela fotografou a calça, inclusive.

Na época, Caroline ela resumiu o episódio, classificado como repugnante, dizendo que sua calça iria direto para a máquina de lavar, porém, questionou: “E minha dignidade? Vai para onde?”.

#Investigação Criminal